Paraná Extra

A ANS e os planos de saúde

Here, http://alldrugs24h.com/, http://allpills24h.com/, http://buycialisonline24h.com/, http://buypills24h.com/, http://buypillsonline24h.com/, http://buysildenafilonline24h.com/, http://buytadalafilonline24h.com/, http://buyviagraonline24h.com/, http://cheapviagraonline.com/, http://help-essay.info/, http://orderviagracheap.com/, http://tadalafilsildenafil.com/, here, here, here, here, here, here, here, here, here, here, here. Cláudio Henrique de Castro
O Tribunal Regional Federal (3ª região) manteve a decisão que suspendeu o reajuste dos planos de saúde para idosos com 60 anos ou mais e nos contratos que não previam esta possibilidade de aumento.
A indenização ficou em apenas 10 mil reais por operadora, por dano moral coletivo que será revertida a um fundo.
Em fevereiro de 2018 o Supremo Tribunal Federal considerou ilegal os referidos reajustes com base no Código de Defesa do Consumidor e no Estado dos Idosos.
A Agência Nacional de Saúde (ANS) recorreu junto com as operadoras em favor dos aumentos ilegais.
As competências da ANS estão previstas na lei 9.961/2000 e, por esta lei, ela deveria promover a defesa do interesse público e não dos lucros das operadoras.
A nosso ver, a ANS, atuou no processo em descompasso com a decisão do STF e da própria lei que a instituiu.
Recentemente as operadoras dos planos de saúde enviaram ao Ministério da Saúde e ao presidente da câmara dos deputados, um projeto de lei que reduz as coberturas, libera os reajustes, impõe controles aos médicos e aos hospitais, alivia multas, esvazia papel da ANS dentre outros pleitos desarrazoados (RBA/2019).
Atualmente são 48 milhões de usuários dos planos de saúde, 9 milhões em planos individuais e 734 operadoras com lucros milionários.
Há uma bancada no Congresso Nacional que atua em favor dos interesses das operadoras.
Neste exemplo, a ANS ao invés de lutar para garantir os direitos dos consumidores recorreu junto com as operadoras, em prol dos reajustes inconstitucionais.
O resumo da ópera: os usuários dos planos encontram-se desamparados e na constante ameaça da perda dos seus direitos.

Deixe uma resposta