Paraná Extra

Adepol volta a cobrar nomeação de delegados em out-doors

A Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (Adepol-PR) voltou a exibir outdoors em Curitiba cobrando do governo estadual a nomeação de 150 delegados. A campanha já havia sido lançada em novembro do ano passado na capital e no litoral. A mensagem exibe a pergunta “Governador, cadê o delegado?”. Atualmente, 270 cidades do Paraná estão sem delegados.
O concurso, realizado em abril de 2013, expira em abril deste ano. Foram nomeados somente 122 profissionais, sendo que 370 cargos continuam vagos, pois o ideal é que cada comarca tenha delegado titular, adjunto e operacional. Nove comarcas estão sem nenhum delegado.

 

O presidente da Adepol, João Ricardo Képes Noronha, afirma que o governo precisa nomear todos os aprovados, pois caso resolva nomear apenas alguns, esses não irão suprir o déficit e a ideia de realizar um novo concurso onera o Estado além de ser uma injustiça com os aprovados no certame ainda vigente.

 

“O governador Beto Richa está completando oito anos de mandato sem sequer repor o quadro defasado da Polícia Civil, muito menos aumento real do efetivo. Quem sofre diretamente com esse descaso é a população que tem a percepção de que os crimes e delitos nunca são solucionados, ainda que os servidores se esforcem diariamente para superar as faltas de condições a que são submetidos”, apontou Noronha.

 

Em 2017, houve 66 baixas decorrentes de aposentadorias, exoneração e falecimento. Em junho do ano passado, 165 delegados se encontravam aptos a se aposentar. Neste ano, outras dezenas de delegados também poderão requerer a aposentadoria.
Noronha enfatiza a importância dos delegados na segurança da sociedade. São eles os responsáveis pela apuração, instauração de inquéritos e investigação para que o Judiciário possa aplicar as devidas punições. “É pelo trabalho do delegado que é possível diminuir a vulnerabilidade das pessoas diante de crimes recorrentes e praticados reiteradamente pelos mesmos criminosos”, explicou.
As delegacias especializadas sem nenhum delegado são 15, dentre as as delegacias da Mulher, Homicídios, Proteção à Pessoa, Adolescentes, Estelionato, Acidentes de Trânsito, Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes.
Em junho deste ano, a Adepol entrou com um pedido na Justiça para que o governo do Estado nomeie 120 delegados aprovados em concurso de 2013. O pedido de antecipação de tutela ajuizado na 2ª Vara da Fazenda Pública ainda pede a abertura imediata de um concurso para escrivães e investigadores da Polícia Civil. O déficit nessas carreiras supera os 40%. São 1.400 cargos de escrivão criados, mas apenas 707 estão ocupados. Já para investigadores 4.395 cargos criados e só 2.802 ocupados.

Deixe uma resposta