Paraná Extra

Avenida das Torres perde esta semana sua última estrutura de metal

Deve ser concluído nesta semana o desmonte das torres de energia da Avenida das Torres, em Curitiba. No total eram 25 grandes estruturas de metal que estão sendo desmontadas pela Copel.  Por cinco décadas,  as torres emprestaram o nome ao principal corredor de ligação entre as cidades de Curitiba e São José dos Pinhais. Mas nos últimos meses, desde de novembro, a paisagem da avenida foi se modificando.

Da altura da comunidade Vila das Torres até São José dos Pinhais, só o que se vê é o canteiro central da via de 18 quilômetros de extensão. A remoção das estruturas também deixou mais evidente a arquitetura do viaduto estaiado, que fica no cruzamento da Avenida das Torres com a Rua Coronel Francisco H. dos Santos e que liga o Cajuru e o Jardim das Américas ao Uberaba e Hauer.

Apenas uma torre e alguns dos chamados “superpostes” ainda estão em pé, na região do bairro Rebouças. A linha de transmissão foi desligada e deslocada provisoriamente, até seja construída uma linha subterrânea de transmissão, também de alta tensão, mas com estrutura para operar com a capacidade máxima.

A linha antiga, que começou a ser instalada na década de 30, tinha, além das 25 torres, 20 superpostes e 42 quilômetros de cabos condutores elétricos. A Companhia Paranaense de Energia (Copel) é a responsável pela obra de desligamento da linha aérea e de construção de uma linha subterrânea. O custo é de R$ 157 milhões.

A nova linha subterrânea vai ter oito quilômetros de extensão e vai ampliar a capacidade de operação de 69 kv para 230 kv. A estrutura vai conectar a já existente subestação Uberaba à subestação Curitiba-Centro, que está sendo construída ao lado do viaduto do Capanema. As obras de implantação da nova linha subterrânea devem ser concluídas em março de 2019.

Deixe uma resposta