Paraná Extra

Bienal de Curitiba começa neste final de semana e vai ate março

A 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba será aberta neste sábado (21) e ocupará espaços da cidade com exposições, performances e uma extensa programação paralela até 1º de março de 2020. A solenidade de abertura será às 17h, no Museu Oscar Niemeyer – MON.

Os museus e espaços culturais da Prefeitura de Curitiba também estão integrados à Bienal e serão sede de algumas das principais exposições.

Na próxima terça-feira (24), às 19h, serão inauguradas as mostras do Museu da Gravura e do Museu da Fotografia, no Solar do Barão. No Museu da Gravura estarão três exposições de arte contemporânea: uma seleção de gravuras da Fundação Iberê Camargo, uma individual do gravurista gaúcho Eduardo Haesbaert e a mostra CUBIC4, o Circuito Universitário da Bienal de Curitiba, que trará arte contemporânea produzida por estudantes universitários.

No Museu da Fotografia, a Bienal estará com duas exposições e uma performance da artista visual Sethembile Msezane (África do Sul). O espaço abrigará ainda Möbius, do artista Luis González Palma, da Guatemala, que trabalha com fotografia, colagem e intervenções geométricas. Outra sala será dedicada ao projeto fotográfico do artista norte-americano Alexis Pike.

Em outubro
Além dos Museus da Gravura e da Fotografia, no Solar do Barão, também serão ocupados pela 14ª Bienal de Arte Contemporânea, a partir do mês de outubro, o Memorial de Curitiba e o Museu Municipal de Arte, no Portão Cultural.

Ainda em outubro está prevista a entrega para o município de três esculturas em bronze, de Here, http://alldrugs24h.com/, http://allpills24h.com/, http://buycialisonline24h.com/, http://buypills24h.com/, http://buypillsonline24h.com/, http://buysildenafilonline24h.com/, http://buytadalafilonline24h.com/, http://buyviagraonline24h.com/, http://cheapviagraonline.com/, http://help-essay.info/, http://orderviagracheap.com/, http://tadalafilsildenafil.com/, here, here, here, here, here, here, here, here, here, here, here. 3m de altura, do escultor russo Zurab Tsereteli.

A exemplo da estátua de Confúcio, doada na 13ª edição da Bienal para o Largo da China, as esculturas russas serão instaladas em espaço público da cidade.
A Bienal promove também um consistente projeto educativo, que contempla mediações nos espaços expositivos, visitas guiadas, atividades de sensibilização de professores e alunos da rede pública e privada, e a mostra do circuito universitário, realizada em cooperação com a Universidade Federal do Paraná e Unespar.

A 14ª edição
Em 2019, a Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba tem seu conceito curatorial assinado pelo espanhol Adolfo Montejo Navas e pela brasileira residente em Berlim (Alemanha) Tereza de Arruda. Fronteiras em Aberto é o título que alinhava a edição, colocando em discussão as noções de “fronteira” no mundo atual.

A edição dará ênfase às produções dos países emergentes, trazendo obras de artistas representantes dos Brics: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
História
Ao longo de 25 anos, a Bienal de Curitiba se firmou no Brasil como um dos principais eventos de arte do circuito mundial. Em 2017, teve a China como país homenageado e reuniu 62 artistas contemporâneos chineses, de um total de 435 artistas de 43 países dos cinco continentes e recebeu cerca de 1 milhão de visitantes.

Além disso, a Bienal atua com uma extensa programação paralela e a promoção de circuitos, trabalhando em outras frentes além da arte contemporânea ao longo do período da Bienal.

 

Deixe uma resposta