Paraná Extra

Bolsistas começam a reforçar área médica no Paraná

Quase 800 estudantes e profissionais de saúde começam a atuar, a partir desta segunda-feira (30), em atividades de combate ao coronavírus no Paraná, segundo o governo estadual.São estudantes e profissionais da área de saúde selecionados por um programa de extensão de combate à Covid-19 no estado, criado em parceira entre a Fundação Araucária, Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e Secretaria da Saúde (Sesa).
Os profissionais receberão uma bolsa para atuar, a princípio, por quatro meses nas divisas rodoviárias, em hospitais, unidades de saúde e laboratórios do estado.
Segundo o governo, o programa pode ser prorrogado para oito meses.
Como funcionará?
Os estudantes e os profissionais auxiliarão no atendimento de centrais de informações, reforçarão as equipes de saúde nas entradas de acesso às cidades, além de passarem orientações à população sobre o novo coronavírus, em unidades de saúde e hospitais.
Alguns dos bolsistas trabalharão no Laboratório Central do Estado (Lacen) e no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs).
Os profissionais atuarão nos seguintes municípios:
Londrina (UEL)
Maringá (UEM)
Cascavel (Unioeste)
Ponta Grossa (UEPG)
Guarapuava (Unicentro)
Jacarezinho (UENP)
Paranaguá (Unespar e UEPG)
Curitiba e Região Metropolitana (UEPG)
Francisco Beltrão (Unioeste)
Foz Iguaçu (Unioeste)

As bolsas variam de R$ 800 a R$ 4 mil, segundo o governo.
Mais bolsas
Segundo o governo do estado, outras 82 vagas foram abertas para bolsistas no sábado (28). As inscrições são para médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem.
Conforme o programa, as inscrições para concorrer a uma das bolsas deve ser feita pela internet até quinta-feira (2).
As oportunidades são para as cidades de Irati, Campo Mourão, Paranavaí, Cornélio Procópio, Apucarana, União da Vitória, Pato Branco, Toledo, Telêmaco Borba, Umuarama, Cianorte e Ivaiporã.
Os bolsistas atuarão em ações de prevenção, cuidados e combate ao coronavírus em unidades de saúde e no sistema prisional.

(G1 PR)

Deixe uma resposta