Paraná Extra

Comércio do Paraná teve redução de 9,01% em março

Segundo dados da Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), a atividade comercial paranaense teve redução média de 9,01% em março, no primeiro mês da pandemia.

Os registros dos primeiros casos de Covid-19 no Paraná provocaram uma corrida às farmácias e supermercados, que tiveram aumento de 21,46% e 16,33%, respectivamente, na comparação com o mês de fevereiro. Garantir o tanque cheio foi outra preocupação dos paranaenses, que levou a uma elevação de 2,47% no movimento dos postos de combustíveis.

Os setores que apresentaram as maiores perdas em março em relação a fevereiro foram os que comercializam bens considerados não essenciais, tais como vestuário (-43,20%), calçados (-38,92%), livrarias e papelarias (-34,70%), lojas de departamentos (-33,91%) e concessionárias de veículos (-33,15%). Isso demonstra que o reflexo inicial dos paranaenses diante da pandemia foi cortar despesas desnecessárias. O fechamento obrigatório de muitas lojas também limitou os negócios, uma vez que nem todas as empresas comercializavam seus produtos por plataformas digitais e muitas tiveram que se adaptar e migrar para novos canais de vendas.

Da mesma forma, na comparação com março do ano passado, apenas os supermercados (12,04%) e as farmácias (9,71%) apresentaram crescimento e a média geral das perdas no comércio do Estado ficou em 11,27%.

No acumulado de janeiro a março o varejo estadual teve queda de 3,07%, sendo que os únicos setores que não amargaram prejuízos foram farmácias (6,86%), supermercados (6,60%) e combustíveis (2,45%).

Análise regional

Dentre as seis regiões pesquisadas pela Fecomércio PR, somente o varejo de Ponta Grossa teve crescimento de 1,82% nas vendas em março na comparação com fevereiro. Em sentido oposto, a região Oeste foi a que mais sofreu no início da pandemia, com retração de 24,87% no faturamento do comércio. Em Maringá as perdas foram de 12,20%; no Sudoeste de 9,64%; em Londrina, o varejo pereceu 8,77%, e em Curitiba e Região Metropolitana a redução foi de 3,41%.

Na comparação com março do ano passado, em todas as regiões os resultados foram negativos. Novamente a região Oeste teve a maior baixa nas vendas, com -24,54%, seguida por Maringá (-21,01%), Sudoeste (-16,55%), Londrina (-11,63%), Ponta Grossa (-7,58%) e Curitiba e RM (-4,80%).

Já no acumulado do ano (janeiro a março), apenas Curitiba e Região Metropolitana manteve o volume de vendas positivo, com pequena alta de 0,59%, ainda como consequência do bom desempenho que vinha apresentando até então. Nas demais regiões, os comerciantes tiveram perdas: Ponta Grossa (-4,32%), Londrina (-4,82%), Sudoeste (-5,86%), Região Oeste (-7,43%) e Maringá (-10,19%).

Deixe uma resposta