Paraná Extra

Continua o impasse sobre abertura da UPA da Cidade Industrial

O Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) deve recorrer da decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que derrubou a liminar que impedia a reabertura da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da CIC, fechada desde 2016. A decisão anterior suspendia o edital de chamamento público aberto pela prefeitura para terceirizar a administração da unidade. O pedido de suspensão tinha sido feito pelo Sindicato. O ministro-presidente do TST, João Batista Brito Pereira, julgou, no entanto, que o impedimento causaria “grave lesão à saúde pública”.

No documento, o ministro destaca que “Diante da expressividade do número de atendimentos previsto e considerando, ainda, o volume de atendimento que era realizado nessa UPA até seu fechamento para reforma em 2016, torna-se inequívoco que a suspensão dos efeitos do contrato de gestão, que possibilitaria o imediato retorno das atividades, causa expressivos impactos nos serviços de saúde oferecidos à população”.

Segundo o edital, a empresa a ser contratada vai ser responsável pela manutenção e funcionamento da UPA 24 horas, além da admissão, treinamento e pagamento de todos os encargos trabalhistas e previdenciários dos funcionários no local.

Em nota, a prefeitura de Curitiba afirma que ainda não foi notificada da decisão do Tribunal Superior do Trabalho e que vai definir um novo cronograma para o início das atividades da UPA CIC junto à Organização Social (OS), empresa vencedora do chamamento público. Também em nota, o Sindicato lamentou a decisão do TST. A UPA CIC foi fechada em 2016 para reformas e desde então o atendimento não foi mais retomado.

(Bandnews)

Deixe uma resposta