Paraná Extra

Depois de cinco dias acaba a rebelião na Casa de Custória

A rebelião na Casa de Custódia de Curitiba, que começou na noite de domingo (1º), foi encerrada na manhã desta quinta-feira (5). Os amotinados libertaram nesta manhã o último agente que estava como refém. Ao todo, cinco agentes penitenciários foram pegos pelos detentos. O primeiro foi liberado ainda no domingo e outros três saíram nesta quarta-feira. Todos passam bem.

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen) informou que os presos que participaram da rebelião devem ser levados para a delegacia para serem indiciados por cárcere privado, tortura, e destruição do patrimônio. Não foi informado até o momento quais as reinvindicações foram atendidas na negociação.

Ontem, dois dos servidores soltos foram encaminhados ao Hospital do Trabalhador com ferimentos moderados. Segundo um agente que acompanhou o socorro, que preferiu não se identificar, apesar de tudo o que passaram, os rapazes liberados estão bem. “Eles estão fisicamente machucados, um sofreu uma lesão na testa e estava com os olhos roxos, mas até que saiu em bom estado psicologicamente. Mesmo diante de tudo isso, eles estão tranquilos”, afirmou à Banda B.

Agentes soltos foram encaminhados para o Hospital do Trabalhador. (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)
Para o trabalhador, a rebelião na CCC é mais um exemplo da precariedade do sistema prisional brasileiro. “Em todo local onde nós prestamos serviços o risco é iminente, de fuga, de rebelião…”, desabafou.

O motim teve início por volta das 18h de domingo, motivado por uma briga entre grupos rivais. Dos cerca de 600 presos, 172  se rebelaram em uma das galerias. A principal reivindicação dos rebelados é a transferência de sete detentos que foram levados da Casa de Custódia para outras cadeias do interior do Paraná.

(Portal Banda B)

Deixe uma resposta