Paraná Extra

Deputados cobram investimentos das concessionárias de telefonia

A Comissão de Obras Públicas, Transporte e Comunicação da Assembleia Legislativa do Paraná em conjunto com a Comissão de Defesa do Consumido realizou nesta terça-feira (10) uma audiência com representantes da Diretoria de Relações Institucionais da Tim Celular. O objetivo foi discutir e pressionar a empresa a melhorar o atendimento aos usuários dos serviços de telefonia móvel.

 

Na avaliação do deputado Marcelo Rangel (PPS), que preside a Comissão de Obras Públicas, Transporte e Comunicação, o encontro foi positivo principalmente por causa do anúncio de um investimento de R$ 90 milhões da operadora no estado.

Rangel explicou que a TIM possui 6,5 milhões de contratos ativos no Paraná e que parte o investimento divulgado estava prevista. O restante foi levantado após a audiência pública realizada no fim de 2011 também da Alep. Dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que no estado há 10.439.601 habitantes.

 

“Eles vieram à Assembleia prestar contas do que já fizeram”, acrescentou o parlamentar. No ano passado, todas as operadoras atuantes no Paraná assinaram um protocolo de intenções que propunha investimentos para a melhoria do serviço prestado. As reclamações mais frequentes nos órgãos de defesa de consumidor são de falta de sinal e irregularidades nas faturas.

Ainda de acordo com Rangel, o retorno das demais companhias de telefonia móvel está pendente e por isso serão marcadas audiências públicas com os representantes destas empresas.

 

“Nós estamos junto com a Comissão de Defesa do Consumido elaborando um termo de ajustamento de conduta para que as operadoras se comprometam pessoalmente com investimentos”, afirmou Rangel.

 

Sobre a competência do legislativo estadual em cobrar investimentos técnicos das operadoras de telefonia, Rangel declarou que apesar desta não ser uma função da Alep os deputados representam a população que atualmente está insatisfeita com o serviço que recebe. “Se não melhorar, os deputados poderão utilizar de outras ferramentas legislativas psra fazer as cobranças necessárias”, finalizou o deputado.

 

Além das questões técnicas, foi discutido a criação de um canal direto com o Procon para que os problemas sejam solucionados de imediato.

(G1 PR)

Deixe uma resposta