Paraná Extra

Emater mostra soluAi??A?o para reduzir uso de agrotA?xico na soja

A Emater, em parceria com a Embrapa, iniciou ontem (27) mais uma ediAi??A?o do chamado Giro TAi??cnico pelo Estado, reunindo profissionais da A?rea agronA?mica e sojicultores para apresentar tecnologias de produAi??A?o capazes de dar ainda maior competitividade Ai?? cultura da soja. SerA?o 23 encontros com a participaAi??A?o de cerca de mil pessoas.

O primeiro evento acontece em Doutor Camargo e depois em outros 22 municAi??pios: Atalaia, SA?o Jorge do IvaAi??, ItambAi??, UbiratA?, Nova Aurora, Vera Cruz do Oeste, Terra Roxa, MaringA?, FloraAi??, Marialva, Arapongas, Santa Mariana, AndirA?, Bela Vista do ParaAi??so, IbiporA?, Reserva, Palmeira, AntA?nio Olinto, Pato Branco, Boa EsperanAi??a do IguaAi??u.

Segundo o coordenador estadual do projeto GrA?os da Emater, Nelson Harger, os eventos de campo sA?o a oportunidade de apresentar o resultado do trabalho em parceria com a Embrapa e outros 294 agricultores colaboradores, cujas propriedades sA?o denominadas unidades de referA?ncia na aplicaAi??A?o de boas prA?ticas agrAi??colas na cultura da soja.

Uma das prA?ticas orientadas Ai?? o manejo integrado de pragas que permite ao agricultor diminuir em 50% o nA?mero de aplicaAi??Ai??es de inseticidas, o que pode gerar uma economia mAi??dia de quatro sacas de soja por alqueire.

Pelos resultados da A?ltima safra, enquanto os sojicultores paranaenses fizeram, na mAi??dia, 3,7 aplicaAi??Ai??es durante todo o ciclo da cultura, os produtores assistidos pela Emater realizaram apenas duas pulverizaAi??Ai??es, tambAi??m em mAi??dia, sem comprometer a produtividade das plantaAi??Ai??es, comenta Harger.

O engenheiro agrA?nomo explica que para colocar em prA?tica o manejo integrado de pragas na cultura da soja o produtor tambAi??m nA?o precisa gastar mais.

ai???Ele terA? apenas que acompanhar semanalmente sua plantaAi??A?o, fazendo o levantamento de todos os insetos presentes, sejam eles pragas ou predadores dessas pragas, e a avaliaAi??A?o da desfolha da planta. Ai?? com base nesses dados Ai?? que ele e seu tAi??cnico decidem pelo melhor momento da aplicaAi??A?oai???, disse Harges.

Seguindo esse critAi??rio, detalha o coordenador, o agricultor vai fazer o controle quAi??mico no melhor momento e evitar aplicaAi??Ai??es desnecessA?rias. ai???Isso Ai?? importante na manutenAi??A?o de um melhor equilAi??brio entre as pragas e seus inimigos naturais, com reduAi??A?o nos custos de produAi??A?oai???.

Com o manejo de praga o produtor tambAi??m retarda o inAi??cio das aplicaAi??Ai??es. ai???Na mAi??dia, nossos sojicultores colaboradores sA? fizeram a primeira aplicaAi??A?o de agrotA?xicos aos 70 dias depois da germinaAi??A?o das plantas, enquanto que os demais entraram na lavoura com as mA?quinas para a primeira pulverizaAi??A?o 30 dias antes, ou seja, aos 40 dias depois da germinaAi??A?o da cultura.

FUNGO – A ferrugem Ai?? outro problema que preocupa o sojicultor. A doenAi??a causada por um fungo pode comprometer seriamente a produtividade da cultura. Por isso, muitos sojicultores, para nA?o arriscar seu investimento, optam por controles antecipados e muitas vezes sem saber se a doenAi??a jA? estA? presente no campo.

Para melhorar a qualidade desta informaAi??A?o, a Emater, em parceria com a Embrapa, vai monitorar a entrada e a dispersA?o do fungo causador da ferrugem, instalando nas propriedades de referA?ncia os coletores de esporos. SA?o cerca de 130 equipamentos e as informaAi??Ai??es das datas do aparecimento dos primeiros esporos de cada coletor estarA?o disponAi??veis no site do consA?rcio antiferrugem http://www.consorcioantiferrugem.net

Hanger explica que com essa medida o sojicultor vai iniciar o controle quAi??mico com fungicida quando necessA?rio, ou seja, quando identificada a presenAi??a do fungo na plantaAi??A?o e as condiAi??Ai??es do clima estiverem favorA?veis ao desenvolvimento da doenAi??a. ai???Ai?? importante ressaltar que essa informaAi??A?o serA? A?til para os demais produtores e tAi??cnicos na decisA?o de iniciar ou nA?o o controle quAi??micoai???.

De acordo com o tAi??cnico, os produtores assistidos pela Emater e que colocaram em prA?tica o manejo integrado de doenAi??as fizeram na safra 2016/17 uma aplicaAi??A?o a menos, se comparado aos demais sojicultores do Estado, com economia mAi??dia no custo de produAi??A?o de 4,5 sacas de soja por alqueire, somando custo do produto e da aplicaAi??A?o.

ai???Somando os resultados obtidos atravAi??s dos manejos integrados de pragas e de doenAi??as temos uma possibilidade de melhoria na renda ao produtor de 8,5 sacas de soja por alqueire, o equivalente a mais ou menos R$ 500,00 por alqueire. Se expandirmos esse resultado econA?mico das propriedades de referA?ncia para o total da A?rea plantada no Estado, chegamos a um valor em torno de R$ 1 bilhA?o de economia, o que Ai?? muito significativoai???, acrescenta.

OUTRAS AAi??Ai??ES – No Giro TAi??cnico os especialistas da Emater e pesquisadores da Embrapa vA?o apresentar os resultados de outras boas prA?ticas agrAi??colas adotadas pelos agricultores colaboradores. Entre elas, a inoculaAi??A?o ou coinoculaAi??A?o das sementes com bactAi??rias fixadoras de nitrogA?nio e a qualificaAi??A?o do processo de aplicaAi??A?o dos agrotA?xicos, dando mais eficA?cia para as aplicaAi??Ai??es e evitando desperdAi??cio ou deriva dos produtos para lavouras vizinhas.

INFORMAAi??Ai??ES – Agricultores e tAi??cnicos interessados em participar dos eventos podem obter mais informaAi??A?o nos escritA?rios da Emater de seu municAi??pio.

Deixe uma resposta