Paraná Extra

Executivos da BRF tA?m sigilos de dados quebrados em investigaAi??A?o

O juiz federal AndrAi?? Wasilewski Duszczak, da 1A? Vara Federal de Ponta Grossa (PR), determinou a quebra dos sigilos de dados e das comunicaAi??Ai??es dos investigados pela 3A? fase da OperaAi??A?o Carne Fraca, deflagrada hoje (5) pela PolAi??cia Federal (PF). A medida vale para qualquer documento apreendido em meio fAi??sico ou digital, computadores, smartphones, aplicativos e programas de compartilhamento de mensagens como Whatsapp, Telegram, etc.

O grupo Ai?? investigado por fraudar resultados de anA?lises laboratoriais relacionados Ai?? contaminaAi??A?o pela bactAi??rias Salmonella pullorum. A pedido da PF, Duszczak decretou a prisA?o temporA?ria por cinco dias de 11 pessoas, entre elas o ex-diretor-presidente global da BRF Brasil, Pedro de Andrade Faria, e o ex-diretor de operaAi??Ai??es da empresa, AndrAi?? LuAi??s Baldissera.

TambAi??m tiveram a prisA?o temporA?ria decretada DAi??cio Luiz Goldoni; Fabiana Rassweiller de Souza; Fabianne Baldo; Harissa SilvAi??rio el Ghoz Frausto; HAi??lio Rubens Mendes dos Santos JA?nior e Luciano Bauer Wienke, alAi??m de Luiz Augusto Fossati; Natacha Camilotti Mascarello e Tatiane Cristina Alviero. Todos sA?o funcionA?rios da BRF. O prazo inicial de cinco dias poderA? ser prorrogado por igual perAi??odo em caso de ai???extrema e comprovada necessidadeai???.

Segundo o despacho, ao analisar os e-mails trocados internamente por pessoas do Grupo BRF, a PolAi??cia Federal identificou possAi??veis ilicitudes ocorridas no laboratA?rio da empresa. Ele cita conversas sobre uma aAi??A?o trabalhista movida pela ex-supervisora da BRF Adriana Marques Carvalho, que afirmou ter sido pressionada por superiores para alterar resultados de anA?lises laboratoriais, e simular a rastreabilidade de amostras.

O juiz sustenta que os investigados, quando foram informados dos crimes de falsidade ideolA?gica e contra a saA?de pA?blica, ai???em vez de avisar os A?rgA?os de fiscalizaAi??A?o e usar sua autoridade na empresa para mandar apurar os fatos e corrigir as irregularidades, nA?o sA? permanecem inertes, como ainda ajustam suas vontades para ocultar os ilAi??citosai???.

Segundo o juiz, a prisA?o temporA?ria dos investigados possibilitarA? o confronto das declaraAi??Ai??es por eles, se necessA?rio com acareaAi??Ai??es entre os envolvidos. ai???Relevante, ainda, destacar a gravidade das condutas, que afetam diretamente a saA?de da populaAi??A?o (na medida em que possibilitam a comercializaAi??A?o de produtos de origem animal desprovidos da devida fiscalizaAi??A?o sanitA?ria e muitas vezes atAi?? imprA?prios para o consumo) e ferem a reputaAi??A?o do Brasil como exportador de gA?neros alimentAi??ciosai???, diz Duszczak

BRF

Em comunicado aos acionistas e ao mercado, a BRF informou que estA? se inteirando dos detalhes da operaAi??A?o e que estA? colaborando com as investigaAi??Ai??es para esclarecimento dos fatos. ai???A companhia segue as normas e regulamentos brasileiros e internacionais referentes Ai?? produAi??A?o e comercializaAi??A?o de seus produtos, e hA? mais de 80 anos a BRF demonstra seus compromissos com a qualidade e seguranAi??a alimentar, os quais estA?o presentes em todas as suas operaAi??Ai??es no Brasil e no mundoai???, diz a nota da empresa.

(AgA?ncia Brasil)

Deixe uma resposta