Paraná Extra

Exportações do agronegócio crescem apenas 0.8 % em outubro

 

 

As exportações do agronegócio foram de US$ 8,41 bilhões em outubro de 2019, número que representou um crescimento de 0,8% em relação aos US$ 8,35 bilhões exportados em outubro de 2018. O aumento das exportações ocorreu em função do crescimento do índice de quantum das exportações, que registrou incremento de 6,8%. Por outro lado, o índice de preço das exportações teve redução de 5,7% na comparação com outubro de 2018. Ou seja, as exportações tiveram aumento de 0,8% em função do crescimento da quantidade exportada.

 

O produto de destaque para a elevação da quantidade exportada foi o milho. As vendas externas do cereal subiram de 3,1 milhões de toneladas em outubro de 2018 para 6,1 milhões de toneladas em outubro de 2019 (+97,6%). Uma quantidade recorde de exportação de milho para os meses de outubro.

 

As importações de produtos do agronegócio também cresceram, passando de US$ 1,19 bilhão em outubro de 2018 para US$ 1,21 bilhão em outubro de 2019 (+1,3%). Assim como o índice de preço das exportações, o índice de preço dos produtos importados também caiu, registrando uma queda de 2,1% entre outubro de 2018 e outubro de 2019. Já a quantidade importada, apurada pelo índice de quantum das importações, subiu 3,5%.

 

 

Em outubro de 2019, os cinco principais setores exportadores do agronegócio foram: complexo soja (27,0%); carnes (18,1%); cereais, farinhas e preparações (12,8%); produtos florestais (10,8%); e complexo sucroalcooleiro (7,8%). A soma da participação dos cinco principais setores exportadores atingiu 76,5% do valor total exportado em outubro de 2019. Esta porcentagem correspondeu a uma concentração das vendas externas nesses setores, uma vez que os mesmos setores foram responsáveis por 75,3% das exportações em outubro de 2018.

 

O principal setor exportador do agronegócio foi o complexo soja. As vendas externas do setor atingiram US$ 2,27 bilhões em outubro de 2019 (-10,9%). A soja em grão é o principal produto de exportação do setor, com US$ 1,75 bilhão exportados em outubro de 2019 (-14,3%) ou 77,2% do valor exportado pelo setor. Outros dois produtos exportados pelo setor foram: farelo de soja (US$ 481,63 milhões; +10,0%) e óleo de soja (US$ 36,10 milhões; -43,8%).

 

As carnes ficaram na segunda posição. Foram exportados US$ 1,53 bilhão em carnes em outubro de 2019. Destacaram-se as exportações de carne bovina, com registros recordes de valor e quantidade, US$ 806,61 milhões (+30,4%) e 185,4 mil toneladas (+14,9%). As exportações de carne suína também subiram, atingindo US$ 148,51 milhões (+38,5%) e 67,1 mil toneladas em outubro de 2019. Por outro lado, as vendas externas de carne de frango caíram 7,8%, atingindo US$ 529,13 milhões ou 326,9 mil toneladas (-8,3%) exportadas no período em análise.

 

O terceiro principal setor exportador foi o de cereais, farinhas e preparações. As vendas externas do setor foram resultado quase que exclusivamente das exportações de milho, que registraram valor e quantidade recorde exportada para o mês de outubro. As exportações de milho em outubro de 2019 foram de US$ 1,02 bilhão, o que equivaleu a um crescimento de 91,3% em relação às exportações de outubro de 2018. A quantidade exportada de milho foi também recorde, com 6,14 milhões toneladas exportadas (+97,6%).

 

As vendas externas de produtos florestais foram de US$ 906,0 milhões (-15,6%), cifra que colocou o setor na quarta posição entre os principais setores exportadores. O principal produto de exportação do setor, a celulose, teve redução dos preços internacionais de 25,4% entre outubro de 2018 e outubro de 2019. Esta queda nos preços internacionais do produto diminuiu o valor exportado para US$ 508,21 milhões (-11,5%), embora a quantidade vendida ao exterior tenha sido recorde para os meses de outubro (1,24 milhão de toneladas). Outros produtos de exportação do setor foram: madeiras e suas obras (US$ 246 milhões; -23,4%) e papel (US$ 152 milhões; -14,8%).

 

A quinta posição entre os principais setores exportadores foi do complexo sucroalcooleiro. As exportações do setor foram de US$ 652,69 milhões (-7,5%). No setor, as vendas externas de açúcar foram de US$ 545,68 milhões (-3,0%) em outubro de 2019, enquanto as exportações de álcool foram de US$ 105,91 milhões (-25,4%) no mesmo mês.

 

Os demais 20 setores exportadores exportaram US$ 1,98 bilhão em outubro de 2019, o que representou uma queda de 4,0% em relação aos US$ 2,06 bilhões exportados pelos mesmos vinte setores em outubro de 2018. Com essa queda, a participação desses setores recuou para 23,6%, uma queda de 1,2 pontos percentuais. Tal fato demonstra que houve uma concentração das exportações entre os principais setores exportadores do agronegócio entre outubro de 2018 e outubro de 2019.

 

Um produto que mereceu destaque nesses vinte setores exportadores foi o algodão. As exportações do algodão não cardado nem penteado subiram de US$ 306,78 milhões em outubro de 2018 para US$ 440,73 milhões em outubro de 2019 (+43,7%). Tal resultado foi obtido em função do crescimento da quantidade exportada, que subiu de 177,1 mil toneladas em outubro de 2018 para 273,4 mil toneladas em outubro de 2019. Com esse valor exportado, o algodão não cardado nem penteado respondeu sozinho por cerca de uma quarta parte do valor total exportado nos vinte setores do agronegócio com menor valor de exportação.

 

As importações de produtos do agronegócio foram de US$ 1,21 bilhão (+1,3%). Os dez principais produtos importados foram: trigo (US$ 138,65 milhões; +16,6%); papel (US$ 79,89 milhões; +5,7%); vestuário e outros produtos têxteis de algodão (US$ 56,58 milhões; -14,0%); salmões (US$ 45,03 milhões; -12,6%); malte (US$ 41,11 milhões; +18,8%); vinho (US$ 40,84 milhões; 0%); álcool etílico (US$ 36,15 milhões; +99,2%); borracha natural (US$ 35,64 milhões; +17,1%); azeite de oliva (US$ 34,38 milhões; -18,2%); e batatas preparadas ou conservadas (US$ 27,48 milhões; -2,6%).

Deixe uma resposta