Paraná Extra

Fim do cobrador proposto por Greca gera conflito entre sindicatos

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, através de nota publicada em seu site, fez um alerta ao Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana de que buscará reparação na Justiça caso a assembléia da categoria, marcada para esta quinta-feira (8), afete o serviço regular de transporte coletivo, “prejudicando não apenas os passageiros, bem como o comércio, a indústria, os colégios e hospitais”, diz a nota.

“Além disso, o Setransp considera desproporcional e descabida a possível aprovação de indicativo de greve em razão de um projeto de lei que apenas começou a tramitar – tendo pela frente um longo período de debates e discussões na Câmara – e que trata de tema também considerado na Convenção Coletiva 2018/2019, assinada em conjunto com o Sindimoc.

Na semana passada, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, encaminhou um projeto que extingue a figura do cobrador nos ônibus.

A assembleia dos motoristas e cobradores está marcada para a Praça Rui Barbosa às 15h, e é decorrente da proposta de projeto de lei enviada pelo Executivo à Câmara de Vereadores.

“O projeto abre espaço para implantação de bilhetagem em todo o sistema, o que hoje é proibido. A prefeitura, autora do projeto, e a URBS, alegam que trabalhadores serão reaproveitados. O Sindimoc contesta: Nas outras cidades em que isso foi implantado, foi a mesa conversa, mas depois demitiram todos”, diz texto divulgado pelo Sindimoc na convocação para a assembléia.

Deixe uma resposta