Paraná Extra

Fraude nas bombas dos postos: Sindicato havia alertado; suspeito vai à delegacia hoje

O presidente do Sindicombustíveis (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis), Roberto Fregonese, disse à Rádio Banda B nesta segunda-feira (9), que todas as denúncias feitas contra fraudes nos postos de Curitiba já haviam sido alvo de alerta. Ele afirma ter entregado um dossiê ao governador Beto Richa e aos secretários de Segurança Pública e Fazenda, informando sobre as irregularidades.

 

“Apresentei as denúncias no começo do governo, há mais de um ano. Encaminhamos ao Ministério Público também. Somente uma operação do Gaeco e outra da Secretaria da Fazenda foram feitas, mas tiveram resultados insuficientes”, disse.

 

Fregonese acredita que o prejuízo ao consumidor é absurdo. “Todos os anos o setor tem um sonegação de impostos que chega a R$ 300 milhões. Se roubam isso do Estado, imagine o tamanho das perdas dos consumidores?”, questionou. “Estamos cansados de denunciar ao poder público e nada ser feito”, disse o sindicalista.

 

Ele ainda aponta que o esquema de adulteração de bombas via controle remoto, nasceu em Curitiba. A ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – montou um esquema de fiscalização para esta segunda-feira.

 

Roubando do consumidor

 

A reportagem especial do Fantástico, exibida na noite deste domingo (8), mostrou como funciona o esquema dos golpistas. Eles instalam uma placa eletrônica em cada bico de bomba. Assim, o marcador é alterado via controle remoto e o consumidor acha que está colocando uma determinada quantidade de combustível, quando na verdade está sendo roubado.

 

Postos

 

Em alguns postos de Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro, essa diferença chega a seis litros por tanque cheio. O estabelecimento “campeão” na capital paranaense é o Posto Jockey, na avenida Victor Ferreira do Amaral. A cada 20 litros abastecidos, 1,4 litro era roubado do consumidor.

 

O gerente foi encaminhado a Delegacia de Estelionatos e Desvio de Cargas, que deve se pronunciar sobre o caso ainda nesta segunda. O posto Arrancadão em Pinhais também recebeu a visita da polícia. O gerente deve se apresentar na delegacia.

Cabeça do esquema

 

O chefe do esquema seria Cleber Salazar, que, segundo a reportagem, tem autorização do Inmetro para fazer manutenção em bombas de combustível. Ele aparece na reportagem mostrando como funciona a fraude. Ele não sabia que estava sendo filmado.

 

A alteração é ativada por controle remoto, o que dificulta a fiscalização. Para a instalação do equipamento criminoso, eram cobrados R$ 5 mil por bico de bomba. Policiais civis foram até o barracão da empresa Power Bombas no Bairro Alto, que pertence a Salazar.

 

Vários materiais foram apreendidos durente a ação, entre eles, algumas placas de circuito que seriam usadas no esquema. Ainda de acordo com à reportagem da TV Globo, Cleber está ligado à pessoas influentes do setor, que seriam coniventes e participantes do esquema.

 

Cleber mora numa mansão localizada na rua Rio Iriri no Bairro Alto. A empresa dele presta serviço para 40 postos na Grande Curitiba. A polícia deve investigar onde a fraude efetivamente acontecia. Cleber disse que é inocente e que vai se apresentar na delegacia ainda esta tarde.

(Portal Banda B)

Deixe uma resposta