Paraná Extra

Intenção de consumo das famílias paranaenses sai do vermelho

Este é o primeiro resultado positivo desde 2015, tendo atingido a pontuação ideal, acima de 100 pontos, de uma escala de 0 a 200 pontos.

 

Novembro/17

Paraná

Variação Mensal

Variação Anual 

Nacional

Variação Mensal

Variação Anual

 

(pontos)

%

%

(pontos)

%

%

Emprego Atual

116,8

3,5

5,9

108,8

1,3

3,0

Perspectiva Profissional

93,1

1,4

8,5

96,3

3,3

-2,5

Renda Atual

155,3

1,1

-0,5

93,7

2,7

4,8

Acesso ao crédito

87,1

-0,8

16,4

73,9

2,9

10,5

Nível de Consumo Atual

75,5

-1,5

20,8

56,1

2,9

14,7

Perspectiva de Consumo

80,6

13,5

40,9

77,6

6,0

21,7

Momento para Duráveis

103,5

4,1

6,5

55,1

2,4

17,4

Índice

101,7

2,7

11,8

80,2

3,0

7,9

 

O indicador paranaense ficou 21% acima do índice nacional, que foi de em 80,2 pontos em novembro, com aumento de 3% com relação a setembro, representando a maior variação mensal do índice desde março 2017. Na comparação com o mesmo período do ano passado o índice nacional cresceu 7,9%.

A Perspectiva de Consumo, um dos principais itens que compõem a ICF, vem se mantendo em alta no Estado e apresentou aumento de 13,5% na comparação com outubro e de 40,9% na variação mensal.

 

Componentes da ICF em pontos/meses de outubro

Novembro

ICF

Situação no Emprego

Perspectiva Profissional

Renda atual

Acesso ao Crédito

Consumo atual

Perspectiva de Consumo

Bens duráveis

2010

141,7

162,2

110,9

163,8

115,7

122,5

169,8

147,1

2011

139,1

136,7

107,2

155,7

146,9

111,9

143,9

171,7

2012

153,1

154,2

113,6

164,5

157,4

129,7

168,8

183,7

2013

145,1

149,1

98,7

170,0

156,6

125,7

152,9

162,9

2014

135,3

144,0

97,3

170,7

146,9

109,3

126,4

152,3

2015

94,5

116,5

87,7

154,0

83,7

63,8

27,5

128,1

2016

89,8

109,9

85,1

156,2

72,8

59,8

47,6

96,8

2017

101,7

116,8

93,1

155,3

87,1

75,5

78,4

103,5

 

Variações

A ICF positiva em novembro foi impulsionada pelas famílias de maior poder aquisitivo. Entre aquelas com renda superior a 10 salários mínimos, o indicador ficou em 110,7 pontos, enquanto as famílias de menor renda ainda não alcançaram o patamar positivo.

O item com maior reação positiva no mês de novembro foi a Perspectiva de Consumo, com alta 14,6% nas classes C, D e E e elevação de 9,2% nas classes A e B.

O elemento Nível de Consumo Atual apresentou variação mensal negativa nos dois patamares de renda analisados: foi 1% menor do que em outubro entre as famílias com rendimentos até 10 salários mínimos e teve queda de 3,2% nas famílias mais abastadas.

Já o subindicador Perspectiva Profissional teve baixa de 0,7% nas classes A e B e o quesito Compra a prazo foi 1,7% inferior de outubro para novembro nas classes C, D e E. Os demais componentes da ICF ficaram positivos em ambas as classes econômicas.

 

Esse indicador mede a percepção do consumidor para compra de bens duráveis, produtos de maior valor agregado, que na maioria das vezes requerem endividamento. O perfil do paranaense mostra maior intenção para compra desse tipo de produto. Este elemento teve alta de 4,1% em relação ao mês anterior, atingindo quase o dobro de pontos do índice nacional (2,4%).

Deixe uma resposta