Paraná Extra

Interior se destaca na geração de empregos no Paraná

O interior do Paraná foi destaque na retomada da geração de empregos no Estado. Somente as regiões de Cascavel, Paranavaí e Londrina geraram, juntas, mais de 10 mil postos de trabalho de janeiro a agosto de 2017. Os dados, do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho, contabiliza a diferença entre admissões e demissões.

Ao todo, o Paraná gerou 25.270 empregos com carteira assinada nos primeiros oito meses do ano. No acumulado do ano, a indústria de transformação e os serviços foram os setores que mais criaram emprego no acumulado do ano no Paraná. A indústria registrou saldo positivo de 13.359 empregos e os serviços 13.291.

A região de Cascavel obteve o maior saldo do Estado, com 4.650 vagas, seguida pela de Paranavaí, com 3.212, e Londrina, com 2.930.

IMPULSIONADOS – O levantamento foi realizado pelo Observatório do Trabalho, ligado à Secretaria de Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, com base nos dados do Caged, e considera os 30 municípios do entorno de cada cidade polo.

De acordo com a economista Suelen Glinski Rodrigues dos Santos, do Observatório do Trabalho, o emprego nessas regiões foi impulsionado por vários setores. Em Cascavel, a produção de alimentos, principalmente pela indústria de frigoríficos, e o comércio vêm liderando a geração de vagas.

Em Paranavaí, destaque para a citricultura. “A colheita da laranja teve impacto nos empregos. A região é um polo de produção da fruta e também sede de indústria de suco para exportação” diz Suelen. A construção civil e o setor de serviços, por sua vez, puxaram as contratações em Londrina.

ENTRE OS 100 – Essas três regiões são destaques, mas o levantamento revela que em praticamente todas as regiões do Paraná as admissões superaram as demissões em 2017. “Isso demonstra a retomada da criação e a manutenção dos empregos formais no Estado”, afirma Suelen.

O Paraná tem oito municípios entre os 100 que geraram maiores saldos de emprego formal no País de janeiro a agosto. Pato Branco (1.697 postos) que ficou na 35ª colocação, seguido de Maringá (1.690) na 37ª, Cascavel (1.492) em 51ª, São José dos Pinhais (1.311) em 62ª, Palotina (1.267) em 66ª, Rolândia (1.090) em 82ª, Apucarana (1.053) em 86ª e Medianeira (945) em 97ª.

As únicas exceções na geração de vagas vieram de Curitiba e Guarapuava. A capital paranaense apresentou saldo negativo de 4.634 postos de janeiro a gosto, seguindo a mesma tendência de outras 22 capitais do País, com destaque para Rio de Janeiro (-46.497), Porto Alegre (-8.153) e Florianópolis (-6.297). Na região de Guarapuava, o saldo ficou negativo em 56 vagas, impactado pelas demissões da agropecuária, principalmente no cultivo da soja, cereais e lavoura temporária.

Deixe uma resposta