Paraná Extra

Itaipu responde por quase 30% de restauraA�A?o da Mata AtlA?ntica no PR

O ParanA? foi o estado que mais contribuiu para a restauraA�A?o da Mata AtlA?ntica no Brasil, com 75.612 hectares (ha) regenerados nos A?ltimos 30 anos (mais precisamente, entre 1985 e 2015). E 28% dessa A?rea (ou 20.957 ha) correspondem A�s aA�A�es da Itaipu Binacional na margem brasileira do reservatA?rio. A� o que aponta o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata AtlA?ntica, produzido pela FundaA�A?o SOS Mata AtlA?ntica e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).
Clique na imagem para baixar arquivo em alta resoluA�A?o.
Ainda de acordo com o estudo, dos dez municA�pios paranaenses que mais contribuA�ram para essa regeneraA�A?o, sete estA?o na A?rea de influA?ncia do reservatA?rio da usina, sendo que quatro deles lideram o ranking: Santa Helena, com uma recuperaA�A?o de 6.682 ha, SA?o Miguel do IguaA�u (3.887 ha), Foz do IguaA�u (2.948 ha) e ItaipulA?ndia (2.841 ha). GuaA�ra aparece na sexta posiA�A?o (1.614 ha), Missal na nona (1.480 ha) e Marechal CA?ndido Rondon na dA�cima (1.320 ha).
a�?A contribuiA�A?o da Itaipu A� enormea�?, afirma a diretora executiva da FundaA�A?o SOS Mata AtlA?ntica, MA?rcia Hirota. a�?A� um projeto grandioso, em uma A?rea em que nA?o existia floresta e hoje constitui um corredor que nA?o sA? preserva a mata, mas contribui para a manutenA�A?o da biodiversidade.”
Grande parte da contribuiA�A?o de Itaipu se deu entre os anos de 1985 e 2000, com a formaA�A?o da faixa de proteA�A?o do reservatA?rio. Nesse perA�odo, a usina participou com 26% da regeneraA�A?o do bioma, ou 19.648 ha, enquanto 60.477 ha foram recuperados no restante do Estado. Para constituir essa faixa verde em torno do reservatA?rio, somente na margem brasileira, Itaipu plantou mais de 23 milhA�es de A?rvores.
a�?Para nA?s A� um imenso orgulho ver o destaque que o Atlas dA? A� faixa de proteA�A?o e aos refA?gios Bela Vista, Santa Helena e Maracaju. Esse trabalho se iniciou ainda em 1979, com a demarcaA�A?o da faixa e os primeiros plantios, seguido de vA?rias fases de restauraA�A?o ecolA?gica ao longo de quase 40 anosa�?, conta a engenheira florestal Veridiana Alves da Costa Pereira, da DivisA?o de A?reas Protegidas da Itaipu.
O conhecimento acumulado nesse perA�odo vem servindo de base para a recuperaA�A?o das matas ciliares dos rios tributA?rios do reservatA?rio, a partir da implantaA�A?o do programa Cultivando A?gua Boa, em 2003. O programa, executado em parceria com 29 municA�pios da regiA?o, estendeu as aA�A�es ambientais da Itaipu para a bacia hidrogrA?fica do Rio ParanA? Parte 3 (A?rea abrangida pelos rios conectados com o lago).
Nessa regiA?o, uma das principais aA�A�es em andamento A� o plantio de A?rvores para a recuperaA�A?o da mata ciliar em torno de nascentes e curso dos rios. Nessas microbacias hidrogrA?ficas, outros 2 milhA�es de mudas produzidas no viveiro florestal do RefA?gio BiolA?gico Bela Vista (RBV), da Itaipu, foram plantadas desde 2003. Segundo os dados do Atlas, de 2000 a 2015, a regeneraA�A?o do bioma no restante do ParanA? foi de 15.135 ha enquanto na A?rea da Itaipu o montante foi de 1.308 ha.
TambA�m contribuiu para esse resultado a criaA�A?o do Corredor EcolA?gico Santa Maria, uma faixa de mata de aproximadamente 12 quilA?metros de extensA?o, ligando a faixa de proteA�A?o do reservatA?rio ao Parque Nacional do IguaA�u, passando pela RPPN da Fazenda Santa Maria, que dA? nome ao corredor. A ligaA�A?o permite uma conexA?o entre duas das principais unidades de conservaA�A?o brasileiras: o PNI, ao Sul, e o Parque Nacional da Ilha Grande, ao Norte do lago de Itaipu.
a�?A� muito importante observar que, no Atlas,a gente vA? de cima uma fisionomia florestal, que A� um excelente indicador. Agora, o que tem dentro desta floresta A� importantA�ssimo. Hoje quando entramos nas nossas A?reas, vemos espA�cies de plantas que nasceram e que nA?o plantamos, mas, sim, foram trazidas pela fauna que regressa a essas A?reas. Esta serA? a floresta do futuroa�?, explica Veridiana.
Segundo ela, esse fator representa um grande potencial para a perpetuaA�A?o da floresta e conservaA�A?o da biodiversidade regional. a�?Para entender melhor essas relaA�A�es, estamos avanA�ando no inventA?rio florestal nas A?reas protegidasa�?, acrescenta.
Alerta
Apesar dos indicadores positivos apresentados pelo Atlas, o ParanA? tambA�m foi o campeA?o de desmatamento da Mata AtlA?ntica nesses 30 anos, dada a pressA?o exercida pelo agronegA?cio e pela indA?stria da madeira. a�?Temos grande desafios para deter o desmatamento e chegar ao desmatamento zero no ParanA?. Atualmente, sete dos 17 estados que abrigam a Mata AtlA?ntica jA? atingiram esse nA�vela�?, informa MA?rcia Hirota.
Para atingir o status do desmatamento zero A� necessA?rio que a perda do bioma seja inferior a 1 quilA?metro quadrado (100 hectares), no perA�odo de um ano. De 2013 para 2014, o desmatamento da Mata AtlA?ntica no ParanA? foi de 9,21 km2, nA?mero que passou para 19,88 km2 na avaliaA�A?o seguinte, de 2014 para 2015. Ou seja, mais do que dobrou na A?ltima avaliaA�A?o. No prA?ximo mA?s de maio, a FundaA�A?o SOS Mata AtlA?ntica deverA? divulgar novo levantamento.

Deixe uma resposta