Paraná Extra

Lava Jato denuncia Beto Richa por corrupA�A?o em licitaA�A?o da PR-323

A forA�a-tarefa Lava Jato do MinistA�rio PA?blico Federal no ParanA? (MPF/PR) denunciou nesta quarta-feira (5), o ex-governador Beto Richa, Ezequias Moreira, JosA� Richa Filho (Pepe Richa), Luiz Abi Antoun, Dirceu Pupo Moreira, Rafael Gluck e JosA� Maria Ribas Mueller pela prA?tica, ao longo de 2014, dos crimes de corrupA�A?o ativa e passiva, fraude licitatA?ria e lavagem de dinheiro, relacionadas A� licitaA�A?o para Parceria PA?blico Privada para exploraA�A?o e duplicaA�A?o da PR-323, que liga MaringA? a Francisco Alves, no noroeste do ParanA?.

De acordo com a denA?ncia, Beto Richa, Ezequias Moreira, JosA� Richa Filho em conluio com Rafael Gluck e JosA� Maria Ribas Mueller, fraudaram a licitaA�A?o em favor do ConsA?rcio Rota das Fronteiras, composto, entre outras, pela empresa Tucumann Engenharia e pela Odebrecht. A investigaA�A?o apontou o contato entre empresA?rios ligados A�s empresas integrantes do consA?rcio canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy, canada specialty pharmacy. e os agentes pA?blicos antes mesmo da publicaA�A?o das diretrizes para a licitaA�A?o ganha posteriormente pelo consA?rcio.

Os agentes pA?blicos atuaram para o afastamento de outros potenciais concorrentes e descumpriram formalidades legais. Para garantir o favorecimento do consA?rcio, o grupo criminoso integrado pelo ex-governador recebeu vantagens indevidas de cerca de R$ 7,5 milhA�es.

Para garantir que o ConsA?rcio Rota das Fronteiras vencesse a licitaA�A?o para a exploraA�A?o e duplicaA�A?o da PR-323, executivos da Odebrecht ofereceram pelo menos R$ 4 milhA�es a Denilson Roldo, no interesse de Beto Richa, Pepe Richa e Ezequias Moreira e, para viabilizar o recebimento dissimulado de valores, Dirceu Pupo Moreira e Luiz Abi Antoun atuaram como intermediA?rios. Dentro deste valor prometido pelos empresA?rios, perA�cias dos sistemas DROUSYS e MyWebDay, da Odebrecht, revelaram no intervalo de dois meses ao longo de 2014, pagamentos superiores a R$ 3,5 milhA�es para o codinome a�?Pilotoa�?, utilizado para identificar o ex-governador.

CessA?o de imA?vel

O recebimento de outra vantagem indevida, no valor de R$ 3,4 milhA�es, deu-se pela cessA?o, em favor de Beto Richa, de cotas de um imA?vel em valor subfaturado por parte de Rafael Gluck e de JosA� Maria Ribas Mueller, executivos da Tucumann Engenharia, empresa que fazia parte do consA?rcio e que foi beneficiada pelo esquema criminoso. Este valor foi dissimulado pela participaA�A?o da OcaporA? como intermediA?ria, empresa formalmente gerida por Dirceu Pupo Ferreira, mas ligada por intrincadas relaA�A�es societA?rias a Beto Richa e seus familiares.

A anA?lise das operaA�A�es financeiras e das informaA�A�es contA?beis da OcaporA? demonstrou que Rafael Gluck e JosA� Maria Ribas, apA?s seis anos de investimento, venderam um empreendimento imobiliA?rio concluA�do A� empresa de familiares de Beto Richa por valor inferior ao investido. A estimativa feita pelo setor tA�cnico da Procuradoria-Geral da RepA?blica A� de que a venda formal se deu em um valor 44% inferior ao preA�o de mercado.

Pelos recebimentos em espA�cie e pelas outras dissimulaA�A�es adotadas para o pagamento das vantagens, a denA?ncia tambA�m apontou o cometimento de crimes de lavagem de dinheiro.

Deixe uma resposta