Paraná Extra

Liqüe nega que Veríssimo fosse sócio da casa noturna. Veja vídeo dos cinco anos e fotos

 

Fiuza, que aparece ao lado de outros donos da Liqüe, é o que veste camisa branca.

Fiuza, que aparece ao lado de outros donos da Liqüe, é o que veste camisa branca.

O empresário Veríssimo Cannale Fiúza, que assassinou a namorada Elisabeth Cristina Pereira e depois se suicidou, já teve negócios em outros empreendimentos na capital. Em 2008, ele era sócio do Cafe de La Musique, junto com o piloto Tarso Marques e o paulista Álvaro Garnero.

 

Fiúza era conhecido e figura frequente das colunas sociais por ser sócio da Liqüe, casa noturna do Batel. Em comemoração de cinco anos de atividade, o empresário, junto com os demais sócios, esteve presente em festa realizada en junho de 2011.

 

Entretanto, a assessoria de comunicação da casa noturna enviou comunicado à imprensa desmentindo a sociedade. “A Liqüe informa que o senhor Veríssimo Fiúza não fazia parte da sociedade da casa noturna. Lamentamos o ocorrido”.

No vídeo alusivo aos cinco anos da casa noturna aparecem como sócios Leandro Jabor, Edo Krause e Paulo Freitas.

Assista ao vídeo no link:

http://youtu.be/fV3X4kLL8Uw

 

Já, no site http://www.obaoba.com.br/curitiba/agenda/liquee-5-anos?dia=09/07/2011, Veríssimo é relacionado como um dos sócios da Liqüe, em texto alusivo aos cinco anos da boate.

O empresário aparece também em vários fotos publicadas na Internet junto aos demais proprietários da casa noturna, como a publicada no site paranashop.

 

 

 

 

 

5 respostas para “Liqüe nega que Veríssimo fosse sócio da casa noturna. Veja vídeo dos cinco anos e fotos”

  1. Galdério disse:

    Podia não ser sócio no papel… Mas pq que antes desta tragédia a Liqüe nunca veio a público desmentir tal vínculo. Não foi em apenas um site que o nome dele saiu como um dos proprietários, inclusive posando ao lado dos demais.
    Esse fato não irá sujar o nome da Liqüe.. Se é isso que importa para eles..que fiquem sussegados.

  2. Henrique disse:

    Ele não era Socio ! sei que fez uma oferta para entrar no contrato social, mas não foi aceito pelos proprietarios…é muito facil , é só ver o contrato social da Empresa …

  3. Ingênuo disse:

    Pra mim, o intrigante é como um pela-saco desses de 30 aninhos que dorme de dia e fica de presepada a noite é chamado de empresário… isso é uma ofensa a classe que gera emprego e sustenta o país com impostos…
    A questão é, se não houver alguém dando muuuuiiita guarita (famíía, herança e etc… Qual a mágica para sustentar isso? Da onde veio essa grana? neste caso, é o que mais me deixa cabrero… No mais, quanto a tragédia, simples: REJEIÇÃO E CORNAÇO!!!!!

  4. Idegaldo Coutinho disse:

    Ele era filho do Washington Fiuza, que tb foi empresário da noite curitibana e tb lidava com carros importados?

  5. Correia disse:

    O Verissimo era estelionatário, deu golpe em mais de 13 lojas em Curitiba para montar sua tal mansão. Respondia vários processos na POLICIA FEDERAL e logo ia ser preso. Realmente ele tinha 2% da LIQUE mas nao estava no contrato social pois devia mais de R$3milhoes no mercado.

Deixe uma resposta