Paraná Extra

Manifestantes desocupam prédio da Assembleia Legislativa

Professores e demais funcionários da educação publica estadual desocuparam nesta manhã (19) o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) após quase 19 horas que o local foi ocupado pelos manifestantes. Eles pedem a revogação do edital do Processo Seletivo Simplificado (PSS), que segundo os professores, colocaria em risco a saúde dos profissionais, além disso, reivindicam que um concurso público seja realizado, que o processo de terceirização de funcionários de escolas seja cancelado e pedem também a prorrogação dos contratos dos profissionais já contratados pelo regime PSS. Segundo a entidade que representa os professores (APP-Sindicato), uma reunião deve acontecer ainda hoje (19) para debater os assuntos com deputados, integrantes do governo e representantes dos professores.

Em contato com a reportagem, o Governo do Estado afirmou que não há previsão para nenhum encontro com representantes da categoria. A desocupação da Alep ocorre após a Justiça determinar que o grupo de manifestantes saísse do local. Apesar disso, eles recorreram da decisão – que estipulava multa diária de R$ 30 mil caso o grupo não acatasse a determinação. Cerca de 375 pessoas se concentram em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico.

Os professores afirmam que é necessário que o edital do Processo Seletivo Simplificado (PSS) seja suspenso já que 28 mil profissionais da categoria correm o risco de ficarem desempregados. O Governo por sua vez afirma que o edital do PSS abre pelo menos 4 mil vagas, com possibilidade de ampliação, para contratação de professores temporários para o ano que vem.

Atualmente cerca de 20 mil professores PSS atuam na rede estadual de ensino. A realização da prova está prevista para o dia 13 de dezembro. A Secretaria Estadual da Educação e do Esporte (Seed-PR) afirmou que sempre esteve aberta ao diálogo com os representantes dos professores. Disse, ainda, que o Processo Seletivo Simplificado (PSS) foi pauta presente em várias reuniões entre representantes da Seed e dos professores ao longo deste ano. Sobre a desocupação do prédio da Alep, o Legislativo afirmou, por meio de nota, que a saída dos manifestantes ocorreu de forma pacífica.

Além disso, a Assembleia afirmou que a principal reinvindicação da categoria – a suspensão do edital do PSS 2021 – não está em discussão no Legislativo e nem depende de manifestação do Plenário da Casa, sendo atribuição exclusiva do Poder Executivo.

Deixe uma resposta