Paraná Extra

Curitiba tambA�m teve manifestaA�A?o de apoio a Bolsonaro

Curitiba tambA�m teve manifestaA�A?o de apoio ao governo federal neste domingo (26). Segundo os organizadores, o ato reuniu 200 mil pessoas, mas a PolA�cia Militar nA?o divulgou a estimativa de pA?blico.

Os atos foram convocados pelas redes sociais para dois locais, na Boca Maldita e na PraA�a Santos Andrade, que reuniu mais apoiadores. A concentraA�A?o comeA�ou por volta das 14 horas e de lA? os manifestantes caminharam atA� a Boca Maldita.

O ato foi em apoio ao where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium, where can i buy motillium. governo federal, ao pacote anticrime e A� Reforma da PrevidA?ncia. TambA�m teve crA�ticas A�s Universidades PA?blicas, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal. AlA�m disso, o projeto Escola Sem Partido, que deve ser votado nesta semana na Assembleia Legislativa do ParanA?, foi defendido pelos manifestantes.

Um estudante de jornalismo, que cobria o evento para o Jornal LaboratA?rio da Universidade Federal do ParanA? (UFPR) precisou ser escoltado pela PolA�cia Militar apA?s ser hostilizado pelos manifestantes que apontaram o rapaz como sendo do Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo informaA�A�es levantadas pela reportagem, no final da tarde, o estudante fez um boletim de ocorrA?ncia, na Central de Flagrantes da PolA�cia Civil.

HA? informaA�A�es de que trA?s jornalistas tambA�m teriam sido hostilizados na manifestaA�A?o. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do ParanA? informou A� CBN Curitiba que estA? acompanhando estes casos e que os profissionais foram a�?violentados e censuradosa�?. Segundo nota enviada pelo Sindicato, os repA?rteres-fotogrA?ficos a�?foram impedidos de cumprirem com sua funA�A?o, de informar a sociedade, com socos, empurrA�es e palavrA�es de manifestantesa�?.

Na Santos Andrade, os manifestantes retiraram a faixa preta que tinha sido colocada em protestos anteriores, com a frase a�?Em Defesa da EducaA�A?oa�?. No Facebook, o reitor da UFPR, Ricardo Fonseca, lamentou a retirada da faixa do prA�dio histA?rico da instituiA�A?o.

(CBN)

Deixe uma resposta