Paraná Extra

Operação fiscaliza mais de 200 áreas de desmatamento no Centro-Sul do Paraná

O Ministério Público do Paraná, em conjunto com o Batalhão da Polícia Ambiental do Paraná e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), realiza uma grande ação de fiscalização nas áreas que mais sofreram desmatamento nos últimos dez anos, na Região Centro-Sul do estado. A Operação Mata Atlântica em Pé foi deflagrada nesta semana e segue até este sábado (1º). As vistorias estão sendo feitas em 15 cidades paranaenses, por uma equipe de mais de 100 integrantes, entre policiais, fiscais do Ibama e representantes do MP-PR. Já foram fiscalizadas 119 propriedades rurais – a expectativa é de pelo menos 100 novas visitas até o fim de semana.

Os locais visitados pela Polícia Ambiental foram identificados por imagens de satélite fornecidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela Organização Não Governamental SOS Mata Atlântica. Nos últimos anos, a região Centro-Sul paranaense foi a que apresentou o maior índice de desmatamento do bioma Mata Atlântica, mais especificamente de Floresta Ombrófila Mista, conhecida como Mata das Araucárias.

As propriedades rurais fiscalizadas estão situadas nos municípios de Bituruna, Clevelândia, Coronel Domingos Soares, Cruz Machado, General Carneiro, Mallet, Palmas, Paula Freitas, Paulo Frontin, Pinhão, Rebouças, Rio Azul, União da Vitória, Mangueirinha e Antonio Olinto.

Ilícitos ambientais – A operação integra o conjunto de ações do projeto Mata Atlântica em Pé, coordenado pelo MP-PR, por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção ao Meio Ambiente e da Habitação e Urbanismo. O trabalho é realizado em parceria com a Polícia Ambiental do Paraná e o Ibama. O resultado das vistorias será repassado para os agentes do Ministério Público, que devem adotar providências no sentido garantir a reparação dos danos ambientais causados, incluindo a recuperação das áreas degradadas e responsabilização dos responsáveis pelos desmatamentos.

Deixe uma resposta