Paraná Extra

Percentual de famílias endividadas no Paraná recua em abril

O percentual de paranaenses endividados reduziu no mês de abril. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), elaborada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), a parcela de famílias com algum tipo de dívida baixou de 90,3% em março para 88,8% no mês passado.

Também houve melhora na condição de pagamento das contas em atraso, que passou de 10% em março para 9% em abril. Já com relação ao ano anterior, quando o percentual de famílias endividadas era 88,5%, verifica-se estabilidade.

Dados nacionais apontaram alta no endividamento, tanto na variação mensal quanto na anual. A média nacional de endividamento ficou em 62,7% em abril.

Tipos de Dívida

Com relação aos tipos de dívidas, o cartão de crédito foi apontado em primeiro lugar, com 75,3%, apresentando alta com relação ao mês anterior (74,1%). Os financiamentos de imóveis e automóveis aparecem em seguida e concentram 8,1% e 9,8% do endividamento das famílias, respectivamente.

Os carnês são motivos de endividamento para 1,8% da população do estado, bem como o crédito pessoal (1,8%). Já os empréstimos consignados representam 1,6% das dívidas, com ênfase nas famílias de menor renda, em que correspondem a 3,2% do endividamento ante 1,2% nas famílias com renda superior a dez salários.

Nível de endividamento

De forma geral, os paranaenses acreditam ter um nível moderado de endividamento, uma vez que 43,6% consideram estar mais ou menos endividados.

A proporção das famílias que se declara muito endividada foi de 28% em abril. Essa sensação de endividamento é maior entre as classes mais altas, em que 37,5% dos consumidores se consideram muito endividados ante 26% entre as classes C, D e E. Os pouco endividados correspondem a 17,2%, e os que não possuem dívidas somam 11,2%.

Tempo de pagamento em atraso (Dentre as famílias com contas em atraso)

O índice de consumidores que podem ter seus cadastros de pessoa física (CPF) inclusos no sistema de proteção de crédito, em função de atrasos superiores a 90 dias no pagamento das contas, baixou de 50,9% em março para 41,5% em abril. A inadimplência entre as famílias de maior renda vem diminuindo. No mês de fevereiro, esse percentual era de 55%, em março foi de 44%, e em abril baixou novamente para 46,2%.

A média no tempo de comprometimento com as dívidas é de 5,9 meses. A maioria das famílias se mantêm endividada por até três meses (53%). As dívidas por mais de um ano somam 37%. O endividamento entre 6 meses e 1 ano corresponde a 5,6%, e entre 3 e 6 meses, 3,9%.

Deixe uma resposta