Paraná Extra

Pesquisa aponta que trabalhar em excesso A� como dirigir bA?bado

Longas jornadas de trabalho aumentam os riscos de acidentes, os nA�veis de estresse e provocam atA� dor fA�sica. Mas o grande problema A� que muitas pessoas simplesmente nA?o podem evitA?-las.
De acordo com as A?ltimas estatA�sticas da OrganizaA�A?o Internacional do Trabalho (OIT), mais de 400 milhA�es de pessoas trabalham 49 ou mais horas por semana, uma proporA�A?o considerA?vel do quase 1,8 bilhA?o de trabalhadores em todo o mundo.

Em entrevista ao New York Times, atA� mesmo o empresA?rio Elon Musk, criador da Tesla, se comoveu ao contar ter passado a noite de seu aniversA?rio de 47 anos dentro de uma fA?brica. “Sem amigos, nada”, disse. E provavelmente foi sA? mais um dia em em semana de 120 horas de trabalho. “Isso realmente tem ocorrido A�s custas de ver meus filhos. E de ver amigos”, acrescentou.
Mas esgotar-se como se isso valesse uma medalha de honra abre precedentes perigosos. Trabalhar por muitas horas e finais de semanas se tornou uma marca da cultura de startups do Vale do SilA�cio – e tem se espalhado por vA?rias partes do mundo.

Enquanto escrevia este artigo, um post surgiu no meu Facebook de um grupo colombiano para startups: “Levante a mA?o se vocA? estA? trabalhando agora para sua companhia, ideia, ou negA?cio!”, ao lado de um emoji de braA�o forte. A publicaA�A?o recebeu 160 curtidas e atA� alguns coraA�A�es, alA�m de 38 comentA?rios de empreendedores orgulhosos, cada um postando o link para seus projetos. Era um sA?bado. Eram 21h56.

O problema A� que a cultura de longas jornadas nA?o significa, necessariamente, ser mais produtivo, ou no mA�nimo estabelece um preA�o alto para se atingir esse objetivo. HA? muitas evidA?ncias de que trabalhar demais reduz a produtividade, alA�m de fazer com que a pessoa se sinta – e A�s vezes de fato esteja – menos saudA?vel. Esse estilo de vida aumenta as chances de desenvolver vA?rias doenA�as.

Ainda assim, milhA�es de trabalhadores parecem incapazes de se voltar contra isso, desde mA�dicos a trabalhadores temporA?rios e freelancers. E o que acontece, entA?o? O que nA?s – que nA?o podemos evitar trabalhar aos sA?bados A� noite – podemos fazer a respeito?

Isto vai doer
Pode parecer A?bvio: uma pessoa que trabalha em excesso fica cansada e, portanto, mais propensa a sofrer um acidente no trabalho. Mas provar essa relaA�A?o A� impressionantemente difA�cil.

Um estudo que analisou 13 anos de registros de trabalho nos Estados Unidos descobriu que “trabalhar em empregos com horas extras estava associado a how to buy pain pills online. uma taxa de risco de lesA�es 61% maior em comparaA�A?o com trabalhos sem hora extra”.

Esse estudo nA?o chega a dizer que o cansaA�o A� a principal causa do aumento de risco, mas hA? amplas evidA?ncias disso. Por exemplo, se vocA? acordou A�s 8h e ficou de pA� atA� 1h do dia seguinte (ou seja, ficou acordado por 17 horas seguidas), seu desempenho fA�sico provavelmente serA? pior do que se vocA? tivesse uma concentraA�A?o de 0,05% de A?lcool no organismo. Essa A� a mA�dia que um homem de 73 kg teria se tivesse bebido duas latas de 355ml de cerveja. A� isso: vocA? estA? “bA?bado” de cansaA�o.

Se vocA? permaneceu acordado atA� 5h, a disfunA�A?o seria parecida a ter 0,1% de A?lcool no sangue – 0,08% A� considerado o limite legal para dirigir na maioria dos paA�ses do mundo (Lembrando que, no Brasil, a tolerA?ncia ao A?lcool A� zero).

Portanto, um indivA�duo que fica acordado a noite inteira terA? seu desempenho fA�sico (como o tempo de reaA�A?o ou coordenaA�A?o motora) tA?o prejudicado quanto se ele estivesse bA?bado ao volante. E se vocA? nA?o poderia nem dirigir, A� steroids for arthritis purchase online, steroids for arthritis purchase online, steroids for arthritis purchase online, steroids for arthritis purchase online, steroids for arthritis purchase online, steroids for arthritis purchase online. capaz de trabalhar com seguranA�a e competA?ncia?

Talvez digitar em um computador nA?o seja tA?o arriscado, mas isto A� certamente algo importante a ser levado em conta se vocA? faz um trabalho fA�sico ou manual – ou se seu trabalho requer atenA�A?o a detalhes.

O chicote do algoritmo
E nA?o sA?o poucas as pessoas que ficam presas a um ciclo vicioso – elas dependem das horas extras para conseguir ter um rendimento que pague as contas. E ficam refA�ns de um sistema que as incentiva a trabalhar vA?rias horas ou A� noite se seus clientes vivem em outros fusos horA?rios.

Esse A� o exemplo comum de trabalhadores temporA?rios no sudeste da A?sia e na A?frica, que sA?o contratados por companhias ou empreendedores dos Estados Unidos ou Europa atravA�s de plataformas freelancer para tarefas como escrever cA?digos, posts para blogs, desenvolver sites ou gerenciar mA�dias sociais.

Uma pesquisa recente conduzida por Alex J. Wood, do Instituto de Internet da Universidade de Oxford, revela que os algoritmos que distribuem as tarefas a esses profissionais contribuem para o excesso de trabalho. Isso porque quanto mais alto o profissional estiver no ranking dessas plataformas, maiores as chances de ele ser contratado para novos trabalhos.

Mas para conseguir boas recomendaA�A�es de clientes, eles acabam fazendo tudo o que seus clientes querem, deixando pouco espaA�o para negociar melhores condiA�A�es. “Eles tA?m de estar disponA�veis a qualquer momento. Se o cliente tem um prazo apertado, eles tA?m de aceitA?-lo. Do contrA?rio, receberA?o uma avaliaA�A?o ruim”, diz Wood.

Se o profissional nA?o estA? no topo do ranking, essa pressA?o aumenta. Alguns tentam atrair mais tarefas cobrando tarifas extremamente baixas, o que os forA�a a trabalhar muitas horas por pouco dinheiro. AlA�m disso, muitos investem vA?rias horas em trabalho nA?o remunerado, como administrar perfis, oferecer trabalhos na plataforma e desenvolver habilidades para criar perfis mais atraentes. Isso alA�m da rotina jA? exaustiva de trabalho.

Como disse um entrevistado a Wood: “Preciso tanto do dinheiro que trabalharia 18 horas em um dia?”

Esse padrA?o parece se replicar em vA?rias A?reas de trabalho temporA?rio. Nos EUA, hA? notA�cias de que motoristas que trabalham para aplicativos dirigem por atA� 20 horas diA?rias para terem vantagens em tarifas. No Brasil, a rotina desses profissionais nA?o A� tA?o diferente. E no Reino Unido, o Uber limitou seus motoristas a trabalhar atA� 10 horas seguidas pelo aplicativo apA?s acheter viagra aux usa. uma investigaA�A?o parlamentar.

De acordo com Wood, “o impacto mais A?bvio A� a falta de sono”, que reforA�a o ciclo vicioso de pouco descanso e longas jornadas. “As pessoas seriam mais produtivas se elas nA?o trabalhassem tantas horas. Mas a forma como os negA?cios sA?o criados nA?o permite que as pessoas maximizem a produtividade por que elas precisam trabalhar atA� tarde para cumprir prazos”. Plataformas de freelancers tA?m sido criticadas por enaltecer esse estilo de vida pouco saudA?vel.

Seu estudo nA?o mostra quantos desses profissionais realmente trabalham por muitas horas, e ele esclarece que a situaA�A?o estA? melhor hoje para freelancers da Europa, como Reino Unido, e Estados Unidos, onde hA? mais espaA�o para negociaA�A�es trabalhistas.

No entanto, no Sul global, hA? sinais de que esse ciclo de horas extras estA? se tornando parte da cultura de trabalho local. Mais da metade dos profissionais entrevistados admitiu ter tido que trabalhar com muita rapidez: 60% trabalharam com prazos apertados e 22% sentiram dores relacionadas A� rotina de trabalho.

Sempre A� disposiA�A?o
A A�poca em que o trabalho terminava e as pessoas saA�am do escritA?rio acabou. Checar e responder mensagens de trabalho parece inevitA?vel – e atA� desejA?vel para algumas pessoas, pelo menos entre aquelas que sentem que isso lhes permite ter um desempenho melhor que a de seus competidores; ou que passam mais tempo com a famA�lia sem se distanciar do trabalho.

Como mostrado por um artigo de Ian Tower, pesquisador da Universidade SRH Hochschule em Berlin, a tecnologia mA?vel “aumenta as expectativas: gerentes e colegas esperam que a equipe esteja sempre pronta para trabalhar”.

Mas estar disponA�vel nA?o A� o mesmo que estar de folga, e a forma como o corpo reage a tais situaA�A�es A� diferente. Um estudo de 2016 descobriu que os nA�veis de cortisol (o hormA?nio que regula a reaA�A?o de “lutar ou fugir” e que tem papel importante no estresse) de pessoas que estA?o A� disposiA�A?o aumentam mais rA?pido de manhA?, mesmo que elas nA?o trabalhem naquele dia.

Esse hormA?nio geralmente tem um pico de concentraA�A?o quando acordamos e sofre reduA�A?o ao longo do dia. Mas cientistas acreditam que fatores de estresse diA?rio alteram esse ciclo: os nA�veis sobem mais rA?pido se for esperado que o dia serA? estressante (esse seria o caso no exemplo acima), os nA�veis permanecem altos se vocA? estA? cronicamente estressado, e seus nA�veis nA?o aumentam se vocA? estiver sofrendo uma sA�ndrome de burnout – geralmente precedida por um perA�odo de estresse crA?nico.

Como resultado, as pessoas tA?m dificuldade de se distanciar mentalmente do trabalho quando estA?o de sobreaviso, alA�m de evitarem fazer atividades que realmente querem – o que pesquisadores chamam de “controle”.

Em outras palavras: profissionais sentem que o perA�odo em que eles estA?o de sobreaviso nA?o A� de fato deles, e o nA�vel de estresse sobe por conta disso. Portanto, os pesquisadores concluem que os dias em que se requer disponibilidade “nA?o poderia ser considerado como tempo de lazer, porque a recuperaA�A?o – funA�A?o crucial desse momento – fica restrita a tais circunstA?ncias”.

O que fazer?
Trabalhar por dias a fio nA?o A� inteligente, mesmo se vocA? for Elon Musk. A notA�cia de sua rotina insalubre de trabalho nA?o foi bem recebida por investidores, e as aA�A�es da Tesla caA�ram 8,8% logo apA?s a entrevista do New York Times, em meio a suspeitas de que seu estado mental jA? estaria abalado pelo cansaA�o.

Tome isso como um alerta: se puder evitar trabalhar tanto, faA�a isso, jA? que nA?o hA? efeitos positivos na saA?de, bem-estar ou produtividade. Mesmo que vocA? pense ser uma exceA�A?o, provavelmente nA?o A�.

O grande risco A� para a maioria dos freelancer vulnerA?veis, que nA?o parecem ter oportunidade de interromper o ciclo de trabalho excessivo. O problema por trA?s disso, como diz Wood, A� que “clientes podem prejudicar os ganhos futuros de profissionais, com freelancers tendo pouco poder de barganha”.

A� improvA?vel que essas plataformas mudem a forma de operaA�A?o, especialmente quando esse modelo de negA?cios permite a movimentaA�A?o de bilhA�es de dA?lares por ano. Enquanto isto, se vocA? contratar um freelancer online, talvez seja melhor dar-lhe mais tempo: eles podem nA?o apenas fazer um trabalho de mais qualidade, como a vida deles tambA�m pode ser melhor.

JosA� Luis PeA�arredonda (BBC Capital)

Deixe uma resposta