Paraná Extra

Pesquisa da UFPR avalia comportamento social e sua influência na pandemia

Enquanto o número de casos registrados e de mortes por covid-19 segue avançando no Brasil, uma pesquisa realizada por uma equipe da Universidade Federal do Paraná (UFPR) tenta enxergar a pandemia com uma lupa diferente: a do comportamento social e da compreensão da população sobre os impactos das medidas de distanciamento na contenção da doença. O trabalho, desenvolvido pelas professoras do Setor de Ciências da Saúde e do Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde, Rubia Carla Formighieri Giordani e Milene Zanoni e pela pesquisadora Camila Muhl, coleta dados de todo o país por meio de um questionário.

Em uma semana, o grupo coletou mais de sete mil respostas em todas as regiões do Brasil, com variações de escolaridade e estrato social. A hipótese, segundo explica Rubia, é de que a percepção de risco relacionada à doença interfira no comportamento social durante a pandemia e nas medidas de contenção

O estudo também acompanha um momento bastante peculiar, de agravamento do cenário brasileiro, propondo-se a investigar as crenças de saúde e percepções de risco que condicionam o comportamento social. “O comportamento é regido por normas e sistemas sociais e culturais extremamente complexos e a sua compreensão para a extração de fatores pragmáticos pode ser útil para gestores públicos na abordagem adequada de aspectos críticos no controle da epidemia”, explica. A pesquisadora destaca que a intenção é verificar o nível de conhecimento sobre a COVID-19 e adesão às medidas de prevenção à infecção.

Um fator de interesse está ligado justamente ao formato do questionário: por ser online e fornecer respostas em tempo real, é possível contrastar a variação das percepções com o cenário epidêmico em cada uma das regiões. A interiorização da doença, que cada vez mais se espalha por cidades de pequeno e médio porte, também fica registrada a partir do que os cidadãos indicam como respostas. O questionário está dividido em três eixos: modelos de crença, escala do medo e nível de informação e conhecimento sobre o contágio e a doença.

“Esta combinação entre informação, percepção e medo proposta pelo questionário tem o objetivo de coletar dados capazes de fornecer evidências para o planejamento de ações em saúde”, explica a professora. “São as medidas individuais, domésticas, comunitárias e ambientais que tem sido empregadas na contenção da pandemia”, aponta, citando a questão do distanciamento e outras estratégicas não farmacológicas como parte desse contexto.

“Mas precisamos destacar que essas estratégias dependem substancialmente da adesão das pessoas e da mudança de comportamento para conter a disseminação da infecção”, reforça Rubia. A pesquisadora avalia que as informações levantadas pelo estudo podem orientar decisões políticas mais coordenadas com base em evidências científicas, bem como direcionar campanhas de cuidados preventivos e mensagens de campanhas de saúde.

Por conta dessas peculiaridades, o estudo contém questões que buscam informações sociodemográficas, estado da federação e tamanho da cidade em que os respondentes residem, além do nível de escolaridade, tipo de ocupação e renda familiar, prática/identificação religiosa e habitabilidade, incluindo tamanho do domicílio, quantas pessoas co-habitam e se a casa possui morador com comorbidade para agravamento da  infecção, além de criança, idoso ou profissional da saúde no domicílio.  Os resultados serão analisados por meio da estatística e da teoria em Sociologia da Saúde.

Deixe uma resposta