Paraná Extra

PM nega exagero na operação do Largo da Ordem e culpa funk da maconha

O responsável pelo 1° Comando Regional da Polícia Militar em Curitiba, coronel Ademar Cunha Sobrinho, afirmou nesta segunda-feira (6) que a ação da Polícia Militar (PM), após o desfile do bloco de carnaval Garibaldis e Sacis, no Largo da Ordem, no domingo (5), não foi exagerada e a denominou como uma operação padrão.

Segundo o coronel, para conter a multidão, e assim evitar maiores problemas, é necessário usar balas de borrachas e spray de pimenta.

 

De acordo com a polícia, o tumulto começou quando um grupo de pessoas, após avistar a viatura da Polícia Militar, começou a cantar um funk cuja letra fazia apologia ao uso da maconha. Em alguns instantes, acrescentou o coronel Sobrinho, havia um coro e algumas pessoas começaram a jogar pedras e garrafas no veículo oficial. Foi neste momento que os quatro policiais ficaram feridos. Os PM´s, então, decidiram pedir reforço para Rondas Ostensivas de Naturezas Especiais (Rone).

 

Ainda de acordo com o coronel, havia outros pontos de desordem na região, como pessoas que consumiam nos restaurantes e saiam sem pagar. Mas o estopim para o tumulto foi o funk e o ataque à viatura.

 

Ao todo, cerca de sete mil pessoas participaram do pré-carnaval e 20 policiais foram convocados para fazer a segurança. Na avaliação do coronel, o número era suficiente. Entretanto, ele reconhece, que para o próximo fim de semana, o último do bloco Garibaldis e Sacis antes do Carnaval, cogita acionar mais policiais. Além disso, a PM estuda outro local para receber pré-carnaval. De acordo com o coronel Sobrinho, o Largo da Ordem é um espaço com muita movimentação de pessoas.

 

Além das quatro pessoas que foram encaminhadas para o hospital e dos quatro policiais, a PM não soube precisar quantas pessoas fiaram feridas. Ninguém foi preso e a informação é de que será aberta uma sindicância para averiguar se houve exagero por parte da polícia. Os guardas municipais que estavam no Largo da Ordem serão chamados para depor.

(G1 PR)

Deixe uma resposta