Paraná Extra

Prefeitura começa a mapear focos do Aedes em Curitiba

Um levantamento de criadouros do mosquito Aedes aegypti começou a ser feito em imóveis de Curitiba nesta quinta-feira (18). Agentes de endemias, vinculados aos dez distritos sanitários da Secretaria Municipal da Saúde, começam as visitas para identificar possíveis criadouros do mosquito, que transmite dengue, zika e chikungunya. Moradores devem ficar atentos à identificação do agente, pelo crachá, e acompanhar a vistoria no imóvel. O Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti – LIRAa – é diretriz do Ministério da Saúde e faz parte da ação Curitiba sem Mosquito, uma das metas estabelecidas pela Prefeitura, com relação ao Aedes. “É importante que moradores permitam a entrada dos agentes e se conscientizem que as visitas ajudam a proteger tanto as pessoas que habitam o imóvel como os vizinhos”, solicitou Tatiana Faraco, coordenadora do Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti.

O LIRAa fornece mapa das áreas endêmicas de cada município e permite o planejamento de ações de combate ao mosquito. A escolha dos locais a serem visitados é feita por sorteio, dentro de metodologia aplicada em todo o País, em função da densidade populacional e do número de imóveis. O resultado é o índice de infestação do mosquito.

Os agentes irão a residências, comércios e terrenos baldios. A metodologia permite identificar focos do mosquito e os principais tipos de criadouros. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é que o índice de infestação fique abaixo de 1%. No ano passado, nesta mesma época, Curitiba ficou dentro do esperado. “Em 2017, teremos dois LIRAa, agora e em novembro”, explicou Tatiana.

Orientações

Curitiba sem Mosquito prevê ação continuada e intensificada de limpeza pública em áreas que apresentaram maior número de focos do mosquito em 2016.

Em uma delas, os agentes comunitários da Secretaria da Saúde visitam residências e comércios para orientar a retirada de entulhos que possam servir de criadouros do mosquito. Entregam filipeta informativa e, em data marcada, um caminhão da Secretaria Municipal de Meio Ambiente recolhe o material. O total de material recolhido em 2017 foi de 926.823 quilos.

A Secretaria Municipal da Saúde orienta a população a manter os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito. É importante fazer a limpeza sistemática dos quintais e não deixar água parada.

Deixe uma resposta