Paraná Extra

Reitoria da UFPR é invadida: “precarização” nos serviços do restaurante universitário

Continuava até esta tarde o impasse entre a direção da Universidade Federal do Paraná e um grupo de estudantes que invadiu o Departamento de Licitações e Contratos no complexo da Reitoria, na Rua XV de Novembro. Eles chegaram a fazer reféns e se manifestam a favor dos trabalhadores terceirizados da instituição. Sobre o episódio, as UFPR divulgou a seguinte nota:

1) Um grupo formado por 15 a 20 estudantes ingressou à força, no fim da manhã desta terça-feira (10), num prédio administrativo da UFPR, o Departamento de Licitações e Contratos (DLIC), situado no Edificio Dom Pedro II, no complexo da Reitoria, na Rua XV de Novembro.

2) A ação do grupo – que não tem relação com a representação estudantil eleita para o Diretório Central dos Estudantes e se identifica como integrante da chamada Frente de Apoio à Luta dos Trabalhadores Terceirizados (FALTT) – provocou tumulto e confrontos com servidores da UFPR que trabalham nessa unidade. Alguns servidores foram impedidos pelos estudantes de sair do prédio.

3) Em vista dessa situação, alguns desses servidores mantidos à força no prédio chamaram a Polícia Militar, que compareceu no local e isolou a quadra.

4) Os servidores foram mantidos reféns por mais de uma hora. Assim que eles foram liberados, pró-reitores da UFPR presentes no local imediatamente negociaram a retirada da Polícia Militar do campus, o que ocorreu em seguida, com a liberação do tráfego das ruas do entorno.

5) Os estudantes, alguns deles mascarados, continuam no interior do Departamento de Licitações e Contratos da UFPR.

6) A Reitoria da UFPR lamenta que a ocupação tenha ocorrido em pleno processo de diálogo com a comunidade universitária sobre os restaurantes universitários da instituição.

7) A chamada FALTT tem feito nas últimas semanas ações em nome do que considera “defesa dos trabalhadores terceirizados da UFPR” contra supostas arbitrariedades.

8) O tema envolve uma relação trabalhista entre os empregados e a empresa terceirizada contratada há dois meses para operar os restaurantes universitários da UFPR em Curitiba. À UFPR, como contratante, cabe fiscalizar os contratos mantidos entre a empresa contratada e seus empregados, o que tem sido feito com absoluto rigor.

9) Paralelamente, a UFPR vem promovendo rodas de conversar com estudantes em todos os setores, para informar a real situação dos trabalhadores e as providências que vem tomando como fiscal do contrato. A FALTT está informada sobre esse acompanhamento.

Deixe uma resposta