Paraná Extra

Sarampo: 47 casos investigados, sete confirmados

Segundo o primeiro boletim do sarampo divulgado pela Secretaria de Saúde do Paraná, 47 casos de sarampo são investigados no estado. O boletim divulgado nesta semana revela ainda que são sete casos confirmados da doença. Além disso, 11 casos foram descartados.

O primeiro caso de sarampo no Paraná foi confirmado no dia 07 de agosto em uma moradora de Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba.

Desde então, foram confirmados mais quatro casos em Curitiba, um em Rolândia e um em Jacarezinho.

Antes disso, o Paraná estava há 20 anos sem registro de sarampo. O último caso aconteceu em 1999, remanescente do surto ocorrido no ano anterior. Em 1998 ocorreram 873 casos no Paraná e um óbito decorrente de complicações da doença.

Dos sete casos registrados em 2019, seis tem como fonte provável de contágio o estado de São Paulo e um o estado de Santa Catarina.

O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade, mas as complicações decorrentes do sarampo são mais graves em crianças menores de cinco anos.

Vacinação
Por isso, o Ministério da Saúde estipulou que todas as crianças de seis meses a menores de um ano devem ser vacinadas contra o sarampo. Além disso, a vacinação é obrigatória aos 12 meses e aos 15 meses de vida.

A vacina contra o sarampo é gratuita e faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

A população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose que são consideradas vacinadas. Acima dos 50 anos, a vacina é indicada apenas nos casos de bloqueio vacinal após a exposição com casos de suspeita da doença ou confirmados.

Pessoas imunodeprimidas, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade não devem tomar a vacina. Profissionais da área da saúde devem ser vacinados, independentemente da idade.

Em Curitiba, a vacinação contra o sarampo é disponibilizada nas 110 unidades básicas de saúde.

Deixe uma resposta