Paraná Extra

Tarifa de energia ficaria 0,95% mais barata

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou, ontem (25), o reajuste da tarifa da Copel. A correção já está em vigor. O aumento médio da conta de luz ficou em 0,41%, abaixo da inflação calculada pelo IGP-M nos últimos doze meses, que chegou a 6,51%. Para a categoria de clientes residenciais, que representa 81% da base da Copel, a Agência diz que a tarifa de energia elétrica vai ficar 0,95% mais barata. O Governo do Estado informa que a redução, para a maior parte dos consumidores, foi possível a partir da adoção da chamada Conta-Covid, pela ANEEL.

A iniciativa é uma medida estrutural, resultado de uma operação de mercado desenhada pelos Ministérios de Minas e Energia e da Economia, junto com a própria Agência reguladora do setor. Ao mesmo tempo em que representa um alívio ao consumidor, frente os desafios impostos pela pandemia, a Conta-Covid pretende garantir que as empresas fornecedoras de energia elétrica tenham liquidez, diante da expectativa pelo aumento da inadimplência.

A Copel diz que a conta de luz mais barata vai alcançar três milhões e oitocentas mil famílias. Para as indústrias, o reajuste aprovado pela ANEEL é de 1,13%. Para comércio e serviços atendidos em baixa tensão, a Copel diz que a conta de luz vai ficar 0,83% mais barata. Para a iluminação pública, a redução é de 0,93%. A revisão tarifária anual de cada distribuidora é estabelecida para a data em que a concessão federal foi originada. No caso da Copel, a correção é sempre a partir do dia 24 de junho. O Governo do Estado ressalta que a alta do dólar influencia no reajuste. A moeda americana é utilizada para calcular o valor da energia gerada em Itaipu. Outros fatores são a composição de custos, do sistema de transmissão e demais encargos.

Deixe uma resposta