Paraná Extra

UFPR atende mais de 100 registros de animais encalhados no litoral

Durante a última semana, ventos fortes chegaram à costa do litoral do Paraná e, com isso, animais mortos e debilitados que estavam no mar foram trazidos à praia e encalharam ao longo de toda a orla. A equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) realizou mais de 100 registros desde o dia 9, incluindo aves, tartarugas e mamíferos marinhos. “Os acionamentos realizados pelos usuários das praias se intensificaram devido ao movimento no litoral durante o feriado, mas o registro de encalhes já estava mais alto ao longo da semana em nossa região”, explica a coordenadora do Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná, Camila Domit.

De acordo com a pesquisadora, além de uma quantidade grande de animais, os encalhes também foram bastante diversos. Foram atendidas aves migratórias vindas do hemisfério norte, como o bobo-pequeno (Puffinus puffinus); migratória do hemisfério sul, o pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus), e até cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem na costa brasileira: tartaruga-verde, tartaruga-cabeçuda, tartaruga-oliva, tartaruga-de-pente e tartaruga-de-couro.

A equipe do PMP-BS na UFPR realizou monitoramentos, resgates, necropsias e coletas de amostras. Camila destaca que este conjunto de ações do projeto são essenciais para garantir que todos os animais sejam registrados, atendidos e avaliados, gerando bem estar e chance de reabilitação para os animais registrados vivos, ou mesmo obtendo o melhor conhecimento sobre a saúde do oceano e sua biodiversidade por meio das carcaças encontradas mortas.

A contribuição da sociedade pelos acionamentos é importante para que os resultados do projeto e a gestão e conservação da fauna marinha sejam ainda melhores. Os pesquisadores reforçam que, devido ao período de pandemia, é importante seguir as recomendações de evitar aglomeração e utilizar máscaras, protegendo a saúde da fauna e de todos.

Quem avistar tartarugas, aves ou mamíferos marinhos encalhados, deve comunicar a equipe pelo telefone 0800-642-3341.

Deixe uma resposta