Paraná Extra

Em greve, dentistas de Curitiba fazem marcha rumo à Prefeitura

Cirurgiões-dentistas que atuam no atendimento à saúde pública em Curitiba iniciaram na manhã de hoje (22) uma greve por tempo indeterminado. Eles estão concentrados defronte a Universidade Federal do Paraná e vão fazer uma caminhada até a sede da Prefeitura Municipal, no Centro cívico. O Palácio 29 de Março está cercado por viaturas da Guarda Municipal e isolado com fitas, já que sofreu nesta semana uma tentativa de invasão por parte de outros servidores. Não existe um encontro marcado entre a categoria e o prefeito Luciano Ducci (PSB). A principal reivindicação é a isonomia em relação aos médicos no serviço público. Também cobravam um encontro com o prefeito Luciano Ducci, que nunca aconteceu.

 

A greve é fruto da insatisfação dos profissionais que tiveram suas tabelas salariais desvinculadas das dos médicos da Prefeitura — uma das únicas categorias contempladas com benefícios, além de queixas sobre baixos salários e condições de trabalho. Durante as últimas semanas foram feitas várias tentativas de negociação com a Prefeitura para tentar evitar a greve, mas não houve avanços.

 

A proposta da Prefeitura foi de um reajuste de 10% de reajuste em janeiro de 2012 e 10% em janeiro de 2013, com ajustes de 80% para 60% na gratificação da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Como havia perda de 20% na gratificação do ESF, os cirurgiões-dentistas entenderam que a proposta de reajuste escalonada para 2012 e 2013 ficava praticamente anulada.

 

O Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc) apresentou três propostas para organizar os trabalhos durante a paralisação. Entre eles a garantia de um dentista a cada três unidades de saúde ou um contingente mínimo de 30% do segmento atuando em toda a cidade. A intenção é manter os serviços de urgência e emergência à população. Sem acordo, não está garantida a manutenção dos serviços odontológicos nas unidades da Prefeitura, com exceção daqueles que serão realizados pelas chefias.

 

A justificativa da Prefeitura é de que o salário pago aos dentistas na Capital estaria dentro da média, além de que eles possuem plano de cargos e carreira que poucas categorias possuem. Curitiba tem 646 cirurgiões-dentistas no seu quadro da saúde. Além do Sismuc, a greve também conta com o apoio do Conselho Regional de Odontologia (CRO), da Associação Brasileira de Odontologia (ABO) e do Sindicato dos Odontólogos do Paraná.

 

Deixe uma resposta