Paraná Extra

Padilha defende tributos sobre cigarro, bebidas e automóveis para programas de saúde

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, defendeu a cobrança de mais tributos sobre o cigarro, bebidas alcoólicas e automóveis como nova fonte de recursos para programas de saúde pública. “Eu defendo como fontes possíveis a tributação do cigarro, do álcool, de motocicletas e carros pelo impacto que causam à saúde no país”, justificou Padilha, após inaugurar leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) em Canoas.

O ministro negou que a presidenta Dilma Rousseff tenha mencionado a criação de um novo imposto para financiar a saúde. “Eu não ouvi a presidenta falar sobre novo imposto. Eu ouvi a presidenta fazer uma crítica a quem criou a CPMF [extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira] e não destinou os recursos para a saúde”, disse.

Em meio às discussões sobre fontes de financiamento para a saúde, a presidenta Dilma Rousseff disse ontem (1º) que a área necessita de mais recursos. Ela não declarou ser favorável à volta da CPMF, mas também não deixou claro se aprovaria um novo imposto para a área.

“O povo brasileiro tem essa bronca da CPMF porque disseram que era para saúde e não foi. Agora, ninguém vai fazer a mágica de dizer que a saúde vai melhorar se não tiver mais investimentos e tem que dizer de onde sai [o investimento]”, destacou Dilma. “Não sou a favor daquela CPMF porque ela foi desviada”, acrescentou a presidenta na entrevista de ontem, a rádios de Minas Gerais.

A partir de dezembro, o maço de cigarro ficará até 20% mais caro devido mudanças na alíquota de cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Deixe uma resposta