Paraná Extra

Varejo paranaense cresce 12,88% no acumulado até abril

O varejo paranaense cresceu 12,88% no acumulado até abril, evidenciando a retomada da economia. Setores como materiais de construção, óticas, cine-foto-som, móveis, decorações e utilidades domésticas, autopeças e concessionárias de veículos registraram crescimento superior a 20% no primeiro quadrimestre do ano. Os dados são da Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR).

As lojas de materiais de construção viram as vendas decolarem após o início da pandemia e acumulam elevação de 32,37% no faturamento. Com as pessoas passando mais tempo em casa por conta das medidas de isolamento social, houve a necessidade de adequar os espaços residenciais para as novas atividades que passaram a ser ali realizadas, tais como, trabalho, estudos, esportes, lazer e refeições. Além disso, detalhes e pequenas reformas que antes não eram percebidos ou não incomodavam tanto, ganharam destaque aos olhos.

Por outro lado, alguns setores acumulam perdas. As livrarias e papelarias somam baixa de 22,00%, em decorrência das aulas remotas e redução das atividades presenciais em escritórios e nas empresas de modo geral. Calçados e vestuário e tecidos, que tiveram quedas no faturamento superiores a 30% em 2020 por conta da mudança de hábito dos consumidores e priorização para o consumo de itens de primeira necessidade, ainda registram baixa no volume de vendas: calçados, com redução de 7,93%, e vestuário e tecidos, com diminuição de 3,13%.

Na comparação de abril com março, as vendas cresceram 5,07%. Essa variação mensal positiva é resultante da reabertura do comércio após decretos estaduais e municipais mais severos de lockdown ao longo do mês de março e que no caso de Curitiba foram estendidos até 5 de abril.

Já em relação a abril de 2020, a pesquisa da Fecomércio PR registra alta expressiva de 46,82% no varejo, com crescimento em praticamente todos os setores, pois nos dois primeiros meses de pandemia houve a paralisação de grande parte das atividades comerciais, pegando as empresas de surpresa, que não tiveram tempo para se adequar às vendas online.  Somente o setor de supermercados teve queda de 1,70%, uma vez que o receio do desabastecimento levou a população a estocar alimentos em abril de 2020 e agora as compras de alimentos e bebidas se normalizaram.

Análise regional

No acumulado de janeiro a abril todas as regiões pesquisadas apresentaram crescimento, com destaque para Londrina, onde as vendas aumentaram 29,43%. Na sequência, figuram a Região Oeste (10,68%), Sudoeste (10,55%), Curitiba e Região Metropolitana (9,52%), Ponta Grossa (7,88%) e Maringá (4,99%).

Deixe uma resposta