Paraná Extra

Vizivali: deputado quer solução para quem cursou faculdade particular

O deputado Péricles Mello (PT) pediu que o governo do Estado se pronuncie sobre o compromisso que assumiu em regularizar os diplomas de outros oito mil professores que cursaram a Vizivali e já fizeram complementação em instituições reconhecidas pelo MEC, como a Universidade Castelo Branco (UCB) e a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). Com isso, 20 mil professores estariam com a situação definitivamente resolvida.

Péricles cobrou uma posição definitiva do Estado para os outros cerca de 10 a 15 mil professores. Para quem é servidor municipal ou professor escola particular, a Secretaria de Estado da Educação (SEED) informou que vai estudar uma alternativa até o final de setembro próximo. A situação fica preocupante para os que atuavam como estagiários, à época do Programa da Vizivali, e não estão em sala de aula no momento. A SEED não indicou um caminho para esse grupo de pessoas.

“A Secretaria informou que não há amparo legal para quem era estagiário e não está em atividade docente participar do curso especial de Pedagogia. O governo precisa esclarecer definitivamente a situação desses cerca de 10 mil alunos, que estão inseguros com relação ao seu futuro”, alertou Péricles.

Sobre o caso

 

O Conselho Estadual de Educação (CEE) autorizou a oferta do Programa de Capacitação da Vizivali, em 2003 e 2005. Em 2007, um parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) negou a validade do curso afirmando que não cabia ao Conselho Estadual legislar sobre ensino a distância, e sim ao MEC. Na época, o CEE afirmou que não se tratava de educação a distância, mas de um programa semipresencial. Na busca de resolver o impasse, o deputado Péricles discutiu o caso com o ministro da Educação, Fernando Haddad, estudou uma solução junto ao Estado, até que os órgãos envolvidos chegaram a uma solução com a aprovação do curso de complementação, para que os professores recebam seus diplomas.

Deixe uma resposta